NOTÍCIAS VIVA MAIS

Câncer de Próstata: Teste PSA pode levar a muitos resultados falso-positivos

Embora alguns especialistas de saúde aprovem o teste PSA (exame de sangue para diagnosticar o câncer de próstata) como o melhor método disponível para rastrear o câncer de próstata, houve um debate em torno da sua utilização em testes de rotina de longa data. O teste PSA pode levar a muitos resultados falso-positivos, ou seja, os homens podem ser alertados para cânceres que não estão realmente presentes. Além disso, os críticos argumentam que o teste pode levar ao excesso de diagnósticos, fazendo com que muitos homens se submetam ao tratamento que eles não precisam.

Novembro é o mês mundial da consciência do câncer da próstata. Por isso, serão analisadas, a seguir, as polêmicas em torno do rastreio de rotina através do teste PSA:

Questionando a precisão dos testes de PSA
O PSA é uma substância produzida por células da glândula da próstata. Durante um teste de PSA, o clínico irá colher o sangue do paciente e enviar a amostra para um laboratório, onde os níveis de PSA são medidos por nanogramas por mililitro (ng/mL). Altos níveis de PSA - geralmente 4,0 ng / ml ou mais - podem indicar a presença de câncer de próstata, e um homem com tais níveis provavelmente terá a necessidade de fazer uma biópsia para determinar se ele tem o câncer. 

No entanto, níveis elevados de PSA também podem ser um sinal de condições menos prejudiciais, tais como a prostatite ou hiperplasia prostática. Além disso, o teste PSA não é capaz de determinar a diferença entre câncer de próstata agressivo e benignos. Este é o momento onde as preocupações sobre a precisão do teste entram em jogo.

Pesquisas anteriores estimaram que 17 a 50% dos homens diagnosticados com câncer de próstata, através de testes PSA, tinham tumores que não teriam sintomas durante toda a sua vida. Isto significa que muitos homens podem receber tratamento para o câncer da próstata - tais como cirurgia, radiação ou terapia hormonal - que eles não precisam, o que pode levar a efeitos secundários graves, incluindo a incontinência urinária e disfunção erétil.

Recomendações contra o teste PSA foram recebidas com críticas
Tais fatores têm alimentado recomendações contra a triagem de rotina de câncer de próstata. Em 2012, a US Preventive Services Task Force (USPSTF) liderou o caminho através da emissão de uma recomendação contra triagem com base no PSA para câncer de próstata para os homens de todas as idades que não possuem sintomas. "O câncer de próstata é um grave problema de saúde que afeta milhares de homens e suas famílias, mas antes de fazer o teste PSA, todos os homens merecem saber o que a ciência diz sobre a seleção através do PSA: há um pequeno benefício potencial e danos potenciais significativos", recomenda o co-presidente da USPSTF, dr. Micheal Lefevre

O movimento foi recebido com muitas críticas. Em uma resposta publicada nos Annals of Internal Medicine, um grupo de especialistas em câncer da próstata afirmou que a discussão de um paciente com seu médico sobre o rastreio do câncer da próstata deve começar aos 50 anos para os homens que estão em risco médio da doença e que são esperados para viver 10 anos ou mais, enquanto que a discussão deve ocorrer na idade de 40 para homens com alto risco da patologia.

Será que o teste PSA reduz a mortalidade por câncer de próstata?
Apesar das recomendações contra o rastreio de rotina de câncer de próstata para homens sem sintomas, muitos profissionais de saúde acreditam que o teste PSA é fundamental para a prevenção de mortes contra a doença.

Em um relatório do Jornal The Wall Street, o Dr. Oliver Sartor, diretor médico do Centro de Câncer Tulane, em Nova Orleans, LA, disse: "Desde que a seleção da PSA se tornou rotina na década de 1990, as taxas de mortalidade de câncer de próstata caíram quase 40%. Eu penso que o teste PSA é a explicação mais provável." Ele apontou para o referido estudo estimando que, sem o teste PSA de rotina, um adicional de 17 mil homens a cada ano seriam diagnosticados com câncer de próstata avançado. "Sabemos que nem todos esses homens seriam curados se detectados cedo", ele acrescentou, "mas o teste do PSA melhora drasticamente as chances de que o câncer de próstata serão encontrados antes que se torne incurável".