NOTÍCIAS VIVA MAIS

Baixos níveis de vitamina D aumentam o risco de câncer de mama

O câncer de mama é a maior causa de morte por câncer nas mulheres em todo o mundo, com mais de 57 mil novos casos por ano somente no Brasil, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA). Por isso se fala tanto da rotina de prevenção, pois, quando diagnosticado e tratado precocemente, as chances de cura chegam a 95%. 

Para esclarecer sobre a doença, o Dr. César Machado, médico especialista em mastologia, selecionou algumas dúvidas que as pacientes costumam ter sobre o câncer de mama com o objetivo de esclarecer o assunto: 

Baixos níveis de vitamina D aumentam o risco de câncer de mama?
Verdade, diversos estudos científicos demonstram esta associação. A vitamina D tem ação anti-inflamatória, fortalece o sistema imunológico e equilibra a reprodução celular. Existem mais de 2.776 pontos identificados de ligação dessa vitamina com o genoma humano.

Apesar de Salvador ser uma cidade com boa exposição solar, a rotina dentro das casas e edifícios, uso de bloqueadores solares e dieta deficiente de vitamina D têm criado uma epidemia de baixos níveis desta vitamina. Porém, devemos lembrar do câncer de pele e ter uma exposição solar consciente e segura.

Pessoas obesas têm mais risco de desenvolver câncer de mama?
Verdade, a obesidade aumenta o risco de câncer de mama por diversos mecanismos, além de aumentar a chance de recorrência tumoral em pacientes que já tiveram esta doença.

O tecido gorduroso é um forte produtor hormonal pós menopausa, cria um ambiente pró inflamatório, facilita proliferação celular e dificulta a apoptose, que é um mecanismo de defesa do corpo. Por estes mecanismos, a obesidade aumenta o risco do câncer de mama.

A sociedade, ao mesmo tempo que estimula a obesidade pela propaganda de alimentos não saudáveis, discrimina as pessoas gordas. Temos que ter esta noção e apoiar esta difícil luta e mudanças nos nossos hábitos alimentares.

O exercício físico previne câncer de mama?
Verdade, o exercício físico regular diminui o risco de desenvolver o câncer de mama. Dados do INCA demonstram que 28% dos casos da doença são preveníveis por mudanças alimentares e prática regular de exercício físico. 

Uso de bebida alcoólica aumenta o risco de câncer de mama?
Verdade, um nível de ingesta alcoólica maior que 10g/dia, já determina este aumento. Pessoas que bebem todos os finais de semana, por dois ou três dias, alcançam estes níveis com certa facilidade. 

Emoções negativas causam câncer?
Verdade, emoções negativas e estresses intensos causam câncer de mama. Todos passam por estes estresses, mas é preciso aprender a controlá-los, seja através de práticas religiosas, meditação, ioga ou cultivando hábitos saudáveis e felizes. 

Beber cafezinho num copo plástico aumenta o risco de câncer de mama? 
Acredita-se que possa, sim. O plástico aquecido libera substâncias químicas chamadas de xenoestrógenos (disrruptores endócrinos), que têm ação em receptores hormonais da mama, estimulando a mama e aumentando a densidade mamográfica.

Toda mulher com história familiar de câncer de mama deve fazer mastectomia profilática? 
Não, apenas 5 a 10% dos casos de câncer de mama têm herança familiar e apenas mulheres com mutação genética comprovada devem avaliar esta cirurgia