NOTÍCIAS VIVA MAIS

Sobrevida de mulheres com câncer de mama aumenta no Brasil

Uma pesquisa mostrou resultados animadores para mulheres com câncer de mama: aumentou o índice de sobrevida mesmo em estágios mais avançados da doença. O que já foi uma dura sentença no consultório vai tomando a forma de uma doença que pode ser encarada cada dia mais com esperança. 

A pesquisa do hospital paulista A.C. Camargo acompanhou mais de cinco mil mulheres em diferentes estágios de câncer de mama. Nos casos mais graves, quando a doença se espalha da mama para outros órgãos, a possibilidade de um tratamento bem-sucedido passou de 20% para 40%. Para o tumor combatido num estágio inicial, então, as chances de sucesso alcançaram quase 100%.

Segundo o Dr. Cesar Machado, especialista em Mastologia do Núcleo da Mama, o aumento das chances de cura está diretamente relacionado aos diagnósticos mais precoces da doença. “Falando especificamente do câncer de mama, nós temos em torno de 95% de chance de cura, hoje em dia, quando o diagnóstico se dá em fase bem inicial do tumor”, frisou o médico.

Ele afirma que apesar dos melhores prognósticos, a elevação de incidência da doença no país é motivo de preocupação. Segundo estimativas do câncer no Brasil, são diagnosticados cerca de um milhão e duzentos mil novos casos em todo o país, todos os anos. Dois fatores devem ser considerados, especialmente, nesse contexto: 

“Primeiro, o envelhecimento da população, pois quanto mais idosa a pessoa, mais implicações e maior risco ela tem de desenvolver o câncer. Porém, nós temos tido mais casos de câncer em pessoas mais novas, mais jovens, independentemente dessa questão, o que mostra que a nossa sociedade está convivendo com fatores de risco que propiciam a formação do câncer”, relatou o doutor Cesar Machado

O câncer de mama é o tipo mais comum entre mulheres do mundo todo. No Brasil não seria diferente: são cerca de 60 mil novos casos descobertos todo ano. Se a pesquisa traz boas notícias para o tratamento da doença, também reforça a importância do diagnóstico precoce. Segundo os médicos, toda mulher deve fazer mamografia a partir dos 40 anos de idade pelo menos uma vez por ano. Também é fundamental ter acesso a um serviço ágil para marcação de exames a fim de se descobrir a doença na sua fase inicial, aumentando a chance de cura.