NOSSAS ENTREVISTAS

Tema: Mamoplastia

 (071) 32... Ver mais >

Viva Mais Viva Melhor – Indicada para pessoas que apresentam problemas nas mamas, como seios caídos ou muito grandes ou pequenos, a mamoplastia é toda a cirurgia plástica que transforma e modifica o formato dos seios. Também existem as opções reconstrutivas que são feitas em caso da remoção da mama devido a algum tumor. Em todas elas o objetivo principal é tornar a região mais harmônica e proporcional ao restante do corpo. Para saber mais sobre o assunto conversamos hoje com a médica Andrea Strauch, especialista em cirurgia plástica.
Doutora, primeiramente, esclareça para os nossos ouvintes, o que é a mamoplastia.

Dra. Andrea Strauch –
Oi Olga, tudo bem? Bom, você já falou um pouquinho, mas a mamoplastia é a cirurgia que é feita para modificar ou o formato ou o tamanho das mamas.

Viva Mais Viva Melhor – E os tipos de mamoplastia, doutora? Qual que é a finalidade de cada uma delas?
Dra. Andrea Strauch – Existem vários tipos, mas as principais são a mamoplastia redutora, quando a gente quer reduzir o tamanho da mama, a mamoplastia de aumento, que geralmente é feita com prótese quando a paciente quer dar mais volume às mamas e quando as mamas são muito caídas a gente pode fazer uma cirurgia que chama mastopexia, que é levantar a mama, reposicionar a mama sem grandes mudanças no volume.

Viva Mais Viva Melhor – E quando é que a mamoplastia é indicada?
Dra. Andrea Strauch – Depende da paciente. Quando uma paciente tem uma mama muito grande que incomode ela, quando a paciente tem mamas grandes podem causar alguns outros problemas, como dor nas costas, dor nos ombros, no pescoço, as vezes a paciente fica com a marca do sutiã no ombro, pode dar uma dermatite por baixo da mama. Então são algumas indicações, mas a indicação maior é quando o paciente está insatisfeito. As vezes uma paciente tem uma mama muito pequena e para umas não incomoda, mas para aquela paciente incomoda e ela gostaria de aumentar, também teria indicação caso incomode.

Viva Mais Viva Melhor – No caso de os seios serem muito pequenos a forma de você lidar também se chama mamoplastia?
Dra. Andrea Strauch – A gente chama de mamoplastia de aumento quando a paciente tem mama muito pequena e aí geralmente a gente precisa usar prótese. Quando a mama é muito grande a gente chama de mamoplastia redutora. Na grande maioria das vezes a gente só retira o tecido e retira a pele e refaz o formato da mama. Alguns pacientes que tiveram uma grande perda de peso o que acontece é que a mama fica caída, mas fica com pouco tecido, muita pele e pouco tecido. Então nesses casos a gente precisa associar a retirada da pele com a inclusão do implante, de uma prótese, que a gente chama de mastopexia com prótese. Cada paciente tem uma indicação, a gente tem que realmente avaliar o paciente para ver o que seria mais indicada para ela.

Viva Mais Viva Melhor – Bom, seja na técnica de redução ou de aumento, a partir de que idade é possível fazer o procedimento?
Dra. Andrea Strauch – O início do desenvolvimento das mamas a gente chama de telarca e isso acontece entre 8 e 14 anos, geralmente por volta dos 11 anos, nesse período as mamas estão se desenvolvendo, dentro deste período geralmente ocorre a primeira menstruação onde tem um grande aumento hormonal e é quando as mamas vão se formando. O ideal é que a gente pense na mamoplastia quando a mama já estiver bem formada e isso varia de paciente para paciente. A gente usa um parâmetro assim que seria entre 2 e 3 anos após a telarca, que seria o desenvolvimento da mama e isso geralmente acontece 1 ou 2 anos após a primeira menstruação. Mas isso é muito variável. As vezes a gente vê pacientes que com 12 anos já tem um corpo de uma mulher adulta e as vezes tem pacientes com 15 anos ainda são bem menininhas. A gente tem que avaliar caso a caso, mas é em torno de uns 2 anos após a primeira menstruação, mas cada caso é um caso.

Viva Mais Viva Melhor – Doutora, e o que poderia ser uma contraindicação para a realização da mamoplastia?
Dra. Andrea Strauch – Na verdade, a contraindicação seria alguma doença clínica que o paciente tenha, alguma contraindicação clínica mesmo, uma patologia, uma paciente hipertensa e diabética que não está com suas patologias controladas, uma paciente que tenha um problema cardíaco. Então todas as indicações clínicas que impeçam ou que tornem a cirurgia um risco muito grande a gente leva em consideração. Mas depois que a mama está formada não teria contraindicação pela idade, mas sim por alguma intercorrência clínica que a paciente venha a apresentar.

Viva Mais Viva Melhor – É preciso de algum tipo de preparação antes de realizar a mamoplastia? Isso além de realizar, claro, os exames que a paciente vai ter que fazer. 
Dra. Andrea Strauch – Apesar de ser uma cirurgia estética é uma cirurgia, é um procedimento cirúrgico. Então para o paciente ser submetido a um procedimento cirúrgico a gente tem que ver se ele está apto para isso, não tenha nenhum problema que venha levar algum risco para ele. Então qualquer cirurgia plástica antes o paciente tem que passar por exames, por avaliação de alguns especialistas quando é indicado. Por exemplo, um paciente que tenha problema cardíaco ou pulmonar a gente pede avaliação do especialista para ver se o paciente está com tudo controladinho para que possa operar. Mas mesmo que o paciente não tenha nenhum problema de saúde que saiba a gente precisa fazer esta avaliação pré-operatória, então a gente precisa fazer exames de sangue, exames de urina, eletrocardiograma e raios-X, isso seria o básico. Mas se o paciente tem alguma outra patologia então são necessários exames específicos para essa outra patologia. Todo paciente antes de ser operado tem que passar por esta avaliação e depois com esses exames também passa por avaliação pré-anestésica. O anestesista vai avaliar todos esses exames para ver qual a melhor anestesia para ele.

Viva Mais Viva Melhor – No caso de a pessoa estar muito acima do peso e pretender fazer uma cirurgia de redução, é preciso primeiro, dentre esse processo de preparação, que a pessoa perca peso e esteja no peso ideal?
Dra. Andrea Strauch – Sim. Nem sempre é necessário a gente estar exatamente no peso ideal. Mas o que acontece é que a mama é formada por glândula mamária e por gordura, então quando a gente engorda a mama aumenta de tamanho e quando a gente emagrece a mama diminui de tamanho porque ela tem um componente gorduroso importante, alguns pacientes mais outros menos, quando a gente é mais jovem a mama é mais glandular, quando a gente vai envelhecendo tem uma lipossubstituição e a gente tem uma mama mais gordurosa. Mas toda mama tem um percentual de gordura, então quando o paciente está muito acima do peso, além dele apresentar mais riscos anestésicos e riscos cirúrgicos, a mama está muito preenchida com gordura. Então se o paciente emagrece depois ele perde o resultado da cirurgia porque ele vai perder gordura e vai sobrar a pele. Então o ideal para a gente fazer a cirurgia da mama é que o paciente esteja mais próximo do seu peso ideal, tanto pela mama e pelo resultado estético da cirurgia quanto pelo risco cirúrgico. Um paciente obeso tem muito mais risco de complicações pós-operatórias do que o paciente que está no peso ideal. E a gente está lembrando que está fazendo uma cirurgia estética, então o paciente tem que estar na melhor saúde possível para que não tenha um risco sem necessidade.

Viva Mais Viva Melhor – Em termos de complicação você já citou aí essa condição do sobrepeso e outras condições de saúde. O que mais pode haver de complicação durante a cirurgia nas mamas, doutora? E como é realizado o procedimento?
Dra. Andrea Strauch – Uma coisa de cada vez. As complicações, toda a cirurgia pode ter complicação, na cirurgia da mama as mais comuns são o que a gente chama de deiscência que é abrir um pontinho e a gente precisar fazer curativo por um pouco mais de tempo, pode acontecer uma coleção de um líquido que é produzido pela gordura que é chamado de seroma, que as vezes é preciso a gente drenar no consultório. O repouso é importante nos primeiros dias porque quando a gente faz um esforço físico pode haver um sangramento e essa coleção de sangue a gente chama de hematoma, algumas vezes é preciso a gente reoperar o paciente para drenar, essas são as mais comuns. Mas pode acontecer também algumas alterações na cicatriz, as vezes o paciente tem tendência a fazer uma cicatriz mais hipertrófica, um queloide e as principais são essas.

Viva Mais Viva Melhor – E quanto a realização da mamoplastia?
Dra. Andrea Strauch – A cirurgia pode ser feita com anestesia geral ou com bloqueio, que é aquela anestesia nas costas e uma sedação. O paciente depois de anestesiado nós preparamos o campo cirúrgico e é feito uma incisão em volta da aréola, a grande maioria das vezes a gente precisa fazer uma cicatriz que chama “T invertido”, essa cicatriz vai depender do tamanho da mama e do que a gente precisa fazer na mama. Então ela pode ser uma cicatriz em “T invertido” em “L” ou uma cicatriz somente vertical. Mas toda vez que a gente precisa reposicionar a aréola a gente faz uma incisão em volta da aréola. Aí é feita a mamoplastia, o que é preciso, retira o tecido, retira a pele, depois a gente faz o curativo e a paciente já sai do centro cirúrgico com o sutiã. No pós-operatório o tempo de internação depende do paciente, do tempo que a cirurgia levou, mas geralmente se o paciente operou de manhã e foi uma cirurgia relativamente tranquila ele pode ir embora no final da tarde. Quando a gente opera o paciente a tarde e terminou um pouquinho mais tarde ele pode dormir e ir no dia seguinte, mas geralmente o tempo de internamento não passa de 1 dia.

Viva Mais Viva Melhor – Doutora, quanto ao tempo após a mamoplastia, o paciente pode fazer suas atividades habituais, como pentear os cabelos, pegar peso, tomar sol ou praticar atividade física, em quanto tempo?
Dra. Andrea Strauch – A gente orienta os pacientes nos primeiros 15 dias a não fazer uma amplitude de abertura muito grande do braço. Nos primeiros 15 dias vai precisar de ajuda para pentear o cabelo, pode escovar os dentes, pode fazer coisas mais leves, mas vai precisar de ajuda para pentear o cabelo, por exemplo, porque não vai poder levantar muito o braço nos primeiros 15 dias. Após esses 15 dias ela já tem uma mobilidade maior do braço. Com relação a exercício físico varia um pouco de cirurgião para cirurgião, mas eu oriento os primeiros 30 dias sem exercício físico, a partir dos 30 dias pode fazer esteira, com 45 dias pode fazer algum tipo de musculação que não seja de membros superiores e com 60 dias pode fazer a atividade física normal.

Viva Mais Viva Melhor – Doutora, a mamoplastia pode atrapalhar a amamentação?
Dra. Andrea Strauch – Pode. Em geral, em torno de 70% das pacientes que fizeram mamoplastia amamentam normalmente, 30% têm alguma alteração, mas isso varia da quantidade de tecido que a gente precisa retirar, então quanto maior a ressecção de tecidos, mais chances têm de a paciente não conseguir amamentar e também da posição da aréola, quando a paciente tem mamas muito caídas, a aréola muito baixa a gente precisa fazer uma suspensão muito grande e esses pacientes também têm mais chances de não conseguir amamentar, mas a grande maioria amamenta normalmente, em torno de 30% essa restrição.

Viva Mais Viva Melhor – Após a realização da mamoplastia a mulher pode perder a sensibilidade nas mamas?
Dra. Andrea Strauch – Pode, pode ter alguma alteração sim. O mais comum é que esta alteração se mantenha por um período limitado, a gente vê que em torno de 6 meses essa sensibilidade volta ao normal. Mas do mesmo jeito, pacientes que tem mamas muito grandes e pacientes que tem aréolas muito caídas, estas alterações as vezes se mantêm no pós-operatório e não volta, alguns pacientes já têm até antes de operar, porque há um estiramento tão grande dos nervos com a aréola muito caída, muito lá embaixo, que as vezes o paciente antes de operar já tem essa alteração. Quanto maior e mais caída maior as chances de permanecer a alteração de sensibilidade, o normal é que volte com 6 meses.

Viva Mais Viva Melhor – Como são realizados os exames de controle de câncer de mama, por exemplo como a mamografia e ultrassonografia em quem fez a mamoplastia de aumento ou de redução, doutora?
Dra. Andrea Strauch – Os exames são feitos normalmente, não tem nenhum problema. A única coisa é que quem tem prótese e quem fez a mamoplastia de aumento com prótese precisa avisar o técnico da radiologia que tem a prótese porque eles vão reposicionar o aparelho de uma maneira que a prótese não atrapalhe a visão, mas isso já é feito, ele já sabe, só precisa avisar para ele fazer essa alteração na hora da realização do exame. Não tem nenhum problema, o paciente pode fazer seu scanner de câncer de mama normalmente.

Viva Mais Viva Melhor – A gravidez ou mesmo o aumento do peso pode alterar o resultado da mamoplastia?
Dra. Andrea Strauch – Pode. Como eu falei para você, a mama tem uma porcentagem grande de gordura, então se o paciente ganhar peso a mama aumenta de tamanho, se o paciente perder peso a mama diminui, o que acontece é que a pele não diminui e mama pode dar uma quedinha porque vai sobrar pele e vai diminuir o conteúdo. E a amamentação o que ocorre é que tem um aumento da mama por causa da lactação, então este aumento a gente estica a pele, a mama fica grande por algum tempo e depois da amamentação também a gente vê que tem uma certa reabsorção. Você vê que as pacientes que amamentam depois a mama diminui um pouquinho de tamanho. Estas alterações podem comprometer o resultado da mamoplastia. Tem pacientes que não mudam muito depois, mas é uma coisa que não tem como a gente saber, pode acontecer alguma diferença sim.

Viva Mais Viva Melhor – Bom, para finalizar doutora, quando é que o paciente vai notar o resultado final da cirurgia, sem inchaço e etc.?
Dra. Andrea Strauch – Isso demora um pouquinho, as vezes a gente fica na ansiedade querendo ver logo o resultado, mas isso demora um pouquinho. Quando a gente faz a cirurgia e faz a cirurgia vertical, a mama não fica com aquele formato redondinho logo no pós-operatório que é o formato mais natural da mama. Esse movimento de fazer essa curvinha da mama a gente chama de movimento de báscula, isso acontece entre 3 e 6 meses. Então para a gente ter o resultado final mesmo de como vai ficar a mama é em torno de 6 meses, mas pode ser um pouquinho antes.

Viva Mais Viva Melhor – Conversamos com a médica Andrea Strauch, especialista em cirurgia plástica. Doutora, muito obrigada e até a próxima.