NOSSOS VÍDEOS

Tema: Lipoaspiração

 (071) 32... Ver mais >

Olga Goulart – Mesmo com dieta, boa saúde e uma rotina regular de atividade física, as famosas gordurinhas insistem em estacionar em regiões específicas do corpo. Uma opção de tratamento estético é a lipoaspiração, que remove esse excesso de tecido adiposo, remodela, criando uma aparência mais harmônica.

Quem conversa conosco hoje é a médica especialista em cirurgia plástica, doutora Andrea Strauch, que vai esclarecer detalhes sobre a lipoaspiração, um tipo de procedimento responsável por colocar o Brasil na liderança mundial de cirurgias plásticas no corpo junto com a abdominoplastia. Doutora, em que consiste a lipoaspiração?

Dra. Andrea Strauch – A lipoaspiração consiste na retirada da gordura através de uma cânula ligada a um sistema que faz um vácuo, com essa pressão negativa a gente consegue retirar a gordura. Como você falou, as vezes alguns pacientes mesmo com dieta e exercício, com dieta correta, existem alguns depósitos de gordura que a gente não consegue retirar com facilidade, então estes casos é que a gente usa a lipoaspiração. Não é um procedimento para emagrecer, é um procedimento para retirar a gordura localizada

Olga Goulart – Certo. Por que que a lipoaspiração não pode ser considerada tratamento para a obesidade?

Dra. Andrea Strauch – A lipoaspiração funciona para retirar a gordura localizada, não é um procedimento para o paciente emagrecer. 

Olga Goulart – Ou seja, você fez todo o seu plano, fez de todas as opções e ainda sobrou alguma coisinha aí a indicação da lipoaspiração.

Dra. Andrea Strauch – É o melhor caso, é a indicação certa, é o que fica melhor. Tanto que você vê que o paciente que é obeso ele vai para o cirurgião bariátrico, ele só vem para o cirurgião plástico depois que ele emagrece e está com o peso certo. A lipoaspiração não funciona para a gente emagrecer, ela funciona nesses casos para a gente tirar a gordura localizada.

Olga Goulart – Qualquer pessoa pode se submeter a lipoaspiração?

Dra. Andrea Strauch – Qualquer pessoa que esteja com a saúde em dia, tem que estar gozando de boa saúde, não pode ter problemas de coagulação, alguns pacientes têm problemas cardíacos e as vezes a gente não pode operar. Então se o paciente tiver com boa saúde que possa se submeter a um procedimento cirúrgico e que tenha indicação dentro disso que a gente falou, um paciente que não esteja obeso, muito acima do peso, se ele tiver indicação e estiver com a saúde toda direitinho ele pode se submeter, não tem nenhuma contraindicação além dessas que a gente falou.

Olga Goulart – A lipoaspiração pode ser feita em qualquer idade?

Dra. Andrea Strauch – Pode. O que acontece é que os pacientes um pouco mais idosos as vezes eles têm um pouco mais de flacidez de pele, então quando o paciente tem muita flacidez as vezes a lipoaspiração não é o procedimento ideal, mas não teria uma contraindicação pela idade, o que precisa é que o paciente esteja com a saúde direitinha. Claro que um paciente idoso se tiver muitas comorbidades ele não é candidato nem a lipoaspiração nem a outros procedimentos cirúrgicos estéticos.

Olga Goulart – E aquelas muito jovens, doutora?

Dra. Andrea Strauch – Depois que o paciente chegou na sua maturidade sexual, digamos assim, já pode fazer.

Olga Goulart – E tirando esses detalhes que você já colocou, o quê que a pessoa precisa saber antes de decidir pela lipoaspiração?

Dra. Andrea Strauch – Bom, o paciente tem que saber que não é um procedimento para emagrecer, tem que estar direitinho fazendo sua dieta e exercícios, todo o procedimento cirúrgico tem riscos, então a gente tem que fazer todos aqueles exames pré-operatórios, as avaliações todas direitinha antes de operar, no pós-operatório também tem que seguir algumas orientações, tem que usar uma cinta, tem que fazer drenagem linfática que é super importante para reduzir o edema, tem uma restrição que tem que ficar entre 7 e 10 dias sem pegar muito peso, sem fazer grande esforço físico. Então tem que seguir as orientações para que tudo dê certo.

Olga Goulart – Então quer dizer que existe pré-operatório assim como qualquer outra cirurgia?

Dra. Andrea Strauch – Como qualquer cirurgia, é super importante, é uma cirurgia que a gente tem precisa muito ver se o paciente não tem anemia antes, porque junto com a gordura sai um pouco de sangue. Então a paciente não pode ter anemia, porque essa anemia pode se agravar no pós-operatório, então tudo isso tem que ser avaliado antes.

Outra coisa, Olga, que a gente tem que lembrar sempre em toda cirurgia é a trombose. Sempre tem que fazer a profilaxia da trombose, sempre converse com seu médico, a gente usa meias na cirurgia, as vezes a gente usa perneiras dependendo da indicação do paciente, mas a lipoaspiração é uma cirurgia que geralmente é mais longa e então a gente sempre tem que lembrar da profilaxia da trombose.

Olga Goulart – E qual é o profissional apto, doutora, a realizar o procedimento de lipoaspiração? O quê que precisa ser checado antes de recorrer a este profissional?

Dra. Andrea Strauch – O profissional ele tem que ser um cirurgião plástico e o ideal é que ele seja habilitado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. A Sociedade Brasileira tem um site que se você entrar e colocar o nome ou o CRM do médico, você consegue ver se ele faz parte da Sociedade. Isso é uma segurança a gente tem para saber que realmente o médico é cirurgião plástico, porque infelizmente a gente vê que as vezes médicos que não são cirurgiões plásticos acabam fazendo o procedimento, então não é o ideal. O cirurgião plástico tem uma formação longa, são 6 anos de faculdade, 2 anos de cirurgia geral, mais 3 anos de cirurgia plástica, ou seja, são 11 anos ao todo para a gente ter essa formação. Então o importante é que ele seja realmente cirurgião plástico.

Olga Goulart – Certo. E onde deve ser realizado esse procedimento da lipoaspiração? É numa clínica, num consultório, num hospital e por quê?

Dra. Andrea Strauch – A lipoaspiração, se a gente for fazer uma lipoaspiração mesmo propriamente dita, o ideal é que seja feito em ambiente hospitalar, ou numa clínica que tenha as condições para isso ou num hospital. É um procedimento que precisa de anestesia, seja anestesia local com sedação, seja um bloqueio ou seja anestesia geral, ela precisa de alguma anestesia porquê é um procedimento doloroso, não dá para fazer sem nada. Então toda vez que a gente precisa anestesiar o paciente, ele precisa ser monitorizado. Como eu falei, é uma cirurgia que quando a gente tira grandes volumes de gordura vem sangue junto, então o paciente tem que estar monitorizado, tem que estar em um ambiente que seja seguro, ou uma clínica com condições ou num hospital de preferência.

Olga Goulart – Então se eu perguntar se a lipoaspiração é um procedimento seguro, certamente você vai me dizer se todos estes pré-requisitos forem preenchidos pelos exames.

Dra. Andrea Strauch – Existem algumas coisas assim que a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica preconiza. Além de tudo isso, além do paciente fazer o pré-operatório, estar tudo direito, não ter nenhuma alteração pré-operatória, não ter anemia, estar num lugar seguro, existem algumas coisas que são específicas da lipoaspiração. Então por exemplo, o ideal é que a gente tire entre 5 e 7% da gordura corporal com relação ao peso do paciente. Por exemplo, se uma paciente pesa 70kg, a gente só pode tirar em torno de 3,5 até 4,9 litros de gordura, não pode tirar mais do que isso. Então em torno de 6% do peso corporal.

A outra coisa é que a gente pode lipoaspirar quase todo o corpo, a gente pode fazer lipoaspiração no rosto, no pescoço, na mama, no abdome, o ideal é que a área corpórea aspirada ela não passe de 40% por vez. Talvez o paciente diz “eu quero lipoaspirar do fio do cabelo ao dedão do pé”, não dá, tem que ser em torno de 40%, se for mais do que isso tem que ser feito em outra vez.

Olga Goulart – Certo. E como é feito o procedimento propriamente dito? Como é feito a lipoaspiração, a escolha das cânulas e etc.?

Dra. Andrea Strauch – Antigamente a lipoaspiração era feita com a técnica seca, a gente não infiltrava nada, isso fazia que sangrasse muito, então havia uma perda de sangue de cada litro aspirado de 25%. Hoje em dia a gente usa uma técnica que a gente chama de úmida ou super-úmida. O que é isso? A gente infiltra uma solução de soro fisiológico com adrenalina, essa adrenalina vai causar uma vasoconstricção e isso diminui o sangramento. Então com a técnica úmida e a super-úmida a gente consegue diminuir essa perda de 25% para em torno de 3% de cada litro de gordura que a gente tire só entre 5 e 3% é de sangue. Então a gente consegue diminuir muito o sangramento.

Então o primeiro passo é a gente fazer umas incisões, essas incisões são bem pequenas, em torno de 0,5 cm, a gente escolhe os lugares que vão ficar escondidos ou áreas que a gente consiga disfarçar numa dobrinha que a gente já tem. Então primeiro a gente infiltra essa solução com adrenalina. A gente tem uma previsão “olha vou tirar 3 litros”, então se você quiser fazer a técnica super-úmida eu vou injetar cerca de 5 a 6 litros de solução. Então a gente espera essa solução agir em torno de 5 a 10 minutos e a gente vai introduzir uma cânula, essas cânulas tem várias espessuras, a gente escolhe de acordo com a área corporal, tem gordura que é mais espessa em algumas áreas e menos espessas em outras e a essa cânula a gente introduz por este orifício e a gente faz um movimento com o braço de vai e vem e essa cânula fica conectada a um aparelho que faz uma pressão negativa, faz um vácuo e isso é que puxa a gordura, então com esse movimento de vai e vem essa gordura vai saindo para este aparelhinho.

Olga Goulart – Outras cirurgias estéticas podem ser feitas no mesmo momento em que você optar pela lipoaspiração?

Dra. Andrea Strauch – Pode e é muito comum. A gente faz muito em combinação com a abdominoplastia. Então por exemplo, a gente faz a abdominoplastia, mas a paciente tem aquele pneuzinho do lado, a abdominoplastia não corrige isso, a gente precisa complementar com a lipoaspiração. A mesma coisa é a mama, a gente faz a mama e a paciente tem aquela gordurinha embaixo do braço, a gente faz a mamoplastia e o complemento para lipoaspiração. Ou a paciente quer fazer uma prótese e fazer uma lipoaspiração, também pode fazer em combinação, contanto que não seja uma cirurgia que vá passar de 6 horas. Então a gente faz essas combinações de cirurgias de acordo com o tempo que a gente pensa que vai levar cada uma. 

Hoje em dia a lipoaspiração a gente usa para várias coisas, não só com fins estéticos, a gente usa lipoenxertia para fins reparadores também, tem gente que faz aumento de mama, está começando a fazer muito isso nos Estados Unidos com lipoenxertia, a nossa lipoescultura a gente injeta no bumbum, injeta na coxa, injeta em cicatrizes que tenham depressão.

Olga Goulart – E como é o pós-operatório, doutora, da lipoaspiração?

Dra. Andrea Strauch – Então, como eu falei para você a gente vai precisar de 7 a 10 dias de um repouso maior, a gente usa a cinta no pós-operatório, o paciente já sai com a cinta, é super importante para reduzir o edema, essa cinta a gente usa em torno de 2 meses. A drenagem linfática é super importante, porque ela tanto ajuda a diminuir este edema como solta as fibroses que vão se formando. Aos pouquinhos a gente vai voltando ao exercício físico, dirigir, de acordo com a evolução do paciente, mas geralmente em torno de 30 dias você já está bem direitinho.

Olga Goulart – E qual é o tempo estimado, o tempo necessário para a gente começar a perceber o resultado final da lipoaspiração? 

Dra. Andrea Strauch – A lipoaspiração é uma cirurgia que a gente fica ansiosa para ver, mas o resultado demora um pouquinho, não é por exemplo, como a prótese de mama que a gente vê o resultado mais rápido. Por causa desse edema que acontece e depois acontece uma fibrose no local em torno de 2 a 3 meses a gente pega e sente meio durinho é a fibrose da cicatrização, a gente só vai ver o resultado depois de 3 meses. A gente fala assim, que para ver como vai ficar mesmo são depois de 6 meses. Mas assim, entre 3 e 6 meses a gente já começa a ver o resultado. As 3 primeiras semanas você não vê quase nada porque fica bem inchado. Aí quando a gente começa com a drenagem a partir de 3 semanas você vai ver já que está diferente, mas o resultado final mesmo depois de uns 3 meses, então tem que ter um pouquinho de paciência.

Olga Goulart – Assim como toda a cirurgia, doutora, na cirurgia de lipoaspiração podem também ocorrer complicações? E quais seriam elas?

Dra. Andrea Strauch – Toda cirurgia tem suas complicações, além das complicações normais de anestesia, as complicações específicas da lipoaspiração são a anemia, se o paciente já tiver ou tiver uma perda muito grande de sangue. Seroma, o seroma é um liquidozinho da gordura que as vezes ele se acumula em alguns locais e o corpo não consegue absorver, as vezes a gente precisa fazer algumas punções para tirar esse excesso de líquido que não foi absorvido. Hematoma pode acontecer, mas não é muito comum. O que acontece muito são as equimoses, que é aquele roxinho que fica, então é uma cirurgia que deixa bem roxinha, nesta fase a gente não pode tomar sol de jeito nenhum, porque se não pode pigmentar e manchar a pele. Então enquanto tiver roxo, enquanto tiver as equimoses não pode tomar sol de jeito nenhum. Com relação as cicatrizes, são cicatrizes muito pequenininhas, mas as vezes o paciente tem uma tendência a queloide, tem uma tendência a hipertrofia e ela pode ficar as vezes um pouquinho mais aparente, não é o comum, mas pode acontecer.

Olga Goulart – Quando as pessoas têm aquela preocupação de determinada região que foi lipoaspirada voltar a acumular gordura, esta afirmativa procede ou é falta mesmo da pessoa manter um plano de alimentação e de atividade física comprometendo um bom resultado?

Dra. Andrea Strauch – Não é porque lipoaspirou que não vai engordar de novo, engorda, então a gente acumula gordura de novo. Se o paciente comer demais e não fizer dietas vai ganhar peso e vai perder o resultado. Então não é porque lipoaspirou que a gente não vai engordar mais, engorda sim, a gente lipoaspira, mas tem que manter o resultado depois, não é milagre.

Olga Goulart – Embora você tenha respondido numa anterior, mas eu vou fazer de novo para ficar mais claro. A lipoaspiração deixa cicatriz?

Dra. Andrea Strauch – As cicatrizes elas existem, mas elas são bem pequenas. O que a gente precisa fazer é só o tamanho da cânula para a cânula entrar, então elas têm mais ou menos em torno de 0,5 cm e a gente tenta colocar em lugares mais escondidos, na marquinha do biquíni ou alguma dobrinha do corpo que tenha para não aparecer muito, mas elas são bem pequenas.

Olga Goulart – Doutora, a pele pode ficar flácida na região que foi lipoaspirada?

Dra. Andrea Strauch – O paciente que tem excesso de pele, que tem flacidez ele não é um bom candidato para a lipoaspiração justamente por isso, a gente aspira gordura e vai sobrar mais pele. Então se o paciente está com pele sobrando ele não é um bom candidato a lipoaspiração. Quando é discretamente um pouquinho, as vezes a própria lipoaspiração faz uma retração e isso compensa. Mas se o paciente tem excesso de pele, as vezes o paciente chega pedindo para fazer uma lipoaspiração no abdome, mas aí a indicação não seria a lipoaspiração, porque ele tem pele demais e a indicação seria a abdominoplastia mesmo. Então isso também vai ser avaliado pelo médico antes, se ele tem indicação. As vezes o paciente quer fazer a lipoaspiração, mas não pode, porque se a gente fizer sobra mais pele e fica pior. Então o médico que vai avaliar e vai ver se a indicação é de abdominoplastia ou se a indicação é de lipoaspiração.

Olga Goulart – E a diferença entre lipoescultura, que é um termo que você citou anteriormente da lipoescultura, para a lipoaspiração?

Dra. Andrea Strauch – A lipoaspiração é quando a gente só retira a gordura, a lipoescultura é quando a gente retira essa gordura e reinjeta ela em algum outro local. Então é quando a gente aproveita essa gordura que a gente tirou para fazer enxerto ou aumento de volumes em outras áreas, o mais comum é no bumbum, mas a gente pode fazer em outras áreas também. As vezes o paciente tem uma depressãozinha em algum lugar e a gente preenche com essa gordura aí. Como eu falei, tem gente que faz até aumento de mama com lipoenxertia. Então a lipoescultura é quando a gente tira e reinjeta em algum outro lugar.

Olga Goulart – Ok. Então explicando em mais detalhes sobre a lipoenxertia, que é essa técnica que usa a gordura do próprio corpo para modelar o bumbum, ela pode ser realizada no mesmo momento, claro, da lipoaspiração.

Dra. Andrea Strauch – Na verdade, ela tem que ser. Tem que aproveitar a gordura que a gente tirar, essa gordura não pode ser guardada. A gente tem que tirar e já injetar no mesmo procedimento.

Olga Goulart – E essa lipoaspiração, doutora, pode ser feita logo após, por exemplo, uma gravidez?

Dra. Andrea Strauch – Não. Aí a gente tem que esperar um tempo, de preferência 6 meses ou após o paciente parar de amamentar em torno de 3 meses. Porque o paciente está sob influência de hormônio, então a pele vai retrair, o corpo vai mudar, quando os hormônios estiverem estabilizados é que a gente pensa em cirurgia plástica, antes disso não. Tem que esperar o corpo voltar ao normal e os hormônios normalizarem até para a gente ver como é que vai ficar, porque as vezes a barriguinha está sobrando, logo depois da gravidez é normal até porque ficou 9 meses com a pele distendida e muitas vezes aquilo depois de 6 a 9 meses aquilo retraí. Então a gente vai agir em uma coisa que vai mudar ainda e não pode. A gente tem que esperar toda a pele voltar para o lugar, os hormônios normalizarem para a gente pensar na correção pela cirurgia plástica.

Olga Goulart – Bom, essa pele distendida aí todo o sonho das mulheres é preservar essa pele para depois ela voltar ao normal para o lugar. Tem alguma recomendação para preservar essa área, doutora?

Dra. Andrea Strauch – Hidratação, é super importante a gente hidratar. Pode ir no dermatologista e escolher um creme que você faça uso diariamente. Proteger do sol, o sol é um grande fator de envelhecimento. Fazer exercícios físicos, ter uma alimentação saudável, evitar frituras e esses alimentos que não fazem bem para a gente. Mas o mais importante de tudo é isso, proteger do sol, hidratação e exercícios, é o que a gente pode fazer.

Olga Goulart – Doutora, é possível notar muitas clínicas oferecendo serviços de ‘mini-lipo’, ‘lipo-light’, várias terminologias aí comerciais. Quais são os riscos deste tipo de propaganda?

Dra. Andrea Strauch – Olha, o risco deste procedimento, é difícil a gente saber o quê que eles vão fazer. Mas qual é o risco? O risco que eu falei aqui, para você fazer um procedimento de lipoaspiração você vai precisar de algum tipo de anestesia, é um procedimento que dói se você fizer sem nada, não tem como fazer, você precisa anestesiar de alguma maneira, mesmo que seja uma anestesia local, alguma anestesia tem que ser feita. E quando a gente faz anestesia sem a gente estar monitorizado, sem a gente estar acompanhado do anestesista, este risco vai subindo muito. Então para a gente fazer, mesmo que seja uma areazinha pequena, a gente precisa anestesiar. Mesmo que seja um ‘ladinho’ ou só um ‘pouquinho’, mas a quantidade de anestésico que a gente vai precisar não é pequena. Então fazer um procedimento com uma anestesia sem o paciente estar num local adequado, sem o paciente estar monitorizado adequadamente, monitorizado pelo médico, acompanhado pelo anestesista, é muito arriscado. Então o ideal é você mesmo que faça numa clínica, faça em uma clínica que tenha toda a parte de material, toda a parte de equipamento para que você esteja monitorizado e com o anestesista do seu lado. Claro que existem as vezes pequenos retoquezinhos, coisas muito pequenas, que dá para fazer em consultório, mas geralmente são coisas muito pequenininhas. Uma lipoaspiração que vá tirar gordura, que vá realmente tirar gordura localizada, o ideal é que você faça num local adequado.

Olga Goulart – Doutora Andrea Strauch, muito obrigada e até a próxima oportunidade aqui no portal Viva Mais Viva melhor.