NOSSOS VÍDEOS

Mitos e Verdades sobre Catarata

 (075) 36... Ver mais >

 

Olga Goulart – Vista embaçada, sensibilidade a luz e alteração da visão de cores são alguns dos sintomas provocados por quem desenvolve a catarata, principal causa de cegueira evitável do mundo. Porém, apesar de ser um procedimento rápido e sem necessidade de internação, muitas dúvidas surgem a respeito da cirurgia da catarata. E para esclarecer tudo isso, nós separamos algumas perguntas envolvendo mitos, verdades e cuidados que nós devemos tomar acerca do problema. Quem conversa conosco hoje é o Doutor Daniel Braga, especialista em oftalmologia.
Doutor, é correto afirmar que a catarata é a principal causa de cegueira do mundo?
Dr. Daniel Braga – Sim, é verdade. A catarata é a maior causa de cegueira no mundo, porém uma causa de cegueira reversível. Faz-se a cirurgia, o tratamento da catarata, então, restabelece a visão. Mas é verdade sim.

Olga Goulart – Então é possível evitar a catarata doutor?
Dr. Daniel Braga – Evitar a catarata é meio difícil, porque a catarata faz parte do envelhecimento natural do cristalino. Naturalmente, todo mundo um dia vai ter catarata. Algumas pessoas chegam a ter catarata aos 50, 60 anos de idade, outras pessoas aos 70 a uns 80 anos, mas a catarata faz parte do processo natural de envelhecimento do cristalino. Existem alguns fatores que causam uma predisposição, algum desenvolvimento mais precoce de catarata, então é prudente evitar a exposição a radiação, utilizar óculos de sol com proteção ultravioleta, hábitos de vida saudáveis são maneiras de evitar uma catarata precoce, mas dizer que não vai ter catarata isso a gente não pode afirmar.

Olga Goulart – Doutor Daniel, catarata é uma doença que atinge apenas idosos. Essa afirmativa é mito ou é verdade?
Dr. Daniel Braga – Também é mito, não é verdade. A catarata, a maioria das cataratas é senil, acontece pela idade, como eu falei, pelo envelhecimento do cristalino, no entanto existem outras formas de catarata, cataratas infantis, catarata congênita, quando a criança desenvolve a catarata ainda na formação intrauterina, as vezes a mãe pode adquirir alguma doença gestacional e a criança desenvolve a catarata. Existem cataratas causadas por medicamentos, causada por algumas outras doenças como diabetes, outras doenças podem desenvolver cataratas secundárias, então a catarata senil é a mais comum, mas não é a única forma de desenvolvimento de catarata.

Olga Goulart – As pessoas mais idosas que percebem que estão enxergando melhor para perto sem a ajuda dos óculos podem estar desenvolvendo uma catarata. Isso é mito ou é verdade?
Dr. Daniel Braga – É verdade sim. É muito comum no consultório o paciente idoso fala: “ah doutor, eu não sei se eu tenho catarata não, porque eu enxergo muito bem de perto, de longe eu não estou enxergando muito bem, mas de perto eu consigo ler sem o uso dos óculos”. Isso é devido ao desenvolvimento de um tipo de catarata, que é a catarata nuclear. Ela cria uma falsa miopia e de certa forma, melhora um pouco a visão de perto, no entanto piora bastante a visão de longe. É sim catarata, isso é verdade.

Olga Goulart – Doutor, é mito ou é verdade de que a catarata é uma película que se forma em frente aos olhos?
Dr. Daniel Braga – É mito. A catarata é uma doença do cristalino. O cristalino é uma lente natural que existe dentro do olho, então ele vai com o envelhecimento natural, ele vai escurecendo, ele vai embaçando e então a pessoa vai perdendo a nitidez da visão. Esta película que se cobre a córnea, que cobre a parte anterior do olho, muito confundida comumente com uma catarata, é chamada de pterígio, é uma proliferação fibrosa da conjuntiva que é a membrana que recobre o globo ocular, não tem nada a ver com catarata.

Olga Goulart – A catarata é hereditária. Isso é mito ou é verdade?
Dr. Daniel Braga – É mito. A catarata é uma doença natural do cristalino, faz parte natural do envelhecimento do cristalino.

Olga Goulart – Colírios podem diminuir ou parar a evolução da catarata, abrindo mão da cirurgia. Isso é mito ou é verdade?
Dr. Daniel Braga – É mito. Por volta dos anos 80, 90, até que tentaram utilizar alguns colírios com essa proposta, minimizar a catarata ou prevenir do desenvolvimento da catarata, mas nada se concluiu, cientificamente não conseguiu se provar nada e não existe nenhuma medicação capaz de prevenir ou evitar a formação da catarata.

Olga Goulart – Doutor, o diabetes é um fator de risco para a catarata e pode acelerar a perda da visão do paciente. Isso é verdade ou é mito?
Dr. Daniel Braga – É verdade. O diabetes, ele desenvolve a catarata mais precoce. O paciente diabético que não está muito bem controlado, ele pode desenvolver a catarata mais cedo e quando desenvolve ela se desenvolve mais rapidamente. Então o paciente diabético deve fazer um controle oftalmológico todo ano regularmente. Eu falo e oriento os meus pacientes, o diabético deve ser amigo do oftalmologista, procurá-lo todos os anos.

Olga Goulart – É possível livrar-se dos óculos operando a catarata. Isso é verdade ou é mito? 
Dr. Daniel Braga – É verdade, inclusive hoje esse é um dos grandes propósitos na cirurgia de catarata. Atualmente existem lentes intraoculares ultramodernas que corrigem já o grau do olho, o grau da miopia e da hipermetropia e até mesmo do astigmatismo no momento da cirurgia da catarata, quando se remove o cristalino é preciso substituí-lo por uma lente intraocular, que fica dentro do olho pro resto da vida e nesta lente, hoje em dia, já tem tecnologia suficiente para calcular já o grau do olho nesta lente, o grau do óculos nessa lente. Então após a cirurgia o paciente não necessita mais de usar os óculos. Isso hoje é o que existe de mais moderno e mais eficaz na cirurgia de catarata.

Olga Goulart – Doutor, ouvimos dizer que é preciso esperar a catarata amadurecer para operar. Isso é mito ou é verdade?
Dr. Daniel Braga – É mito. Antigamente se dizia isso, porque antigamente a técnica cirúrgica na cirurgia de catarata era diferente, precisava realmente esperar o cristalino envelhecer bastante, que se chamava de forma leiga amadurecer, a catarata ficar madura, para se então indicar a cirurgia, que a cirurgia demorava mais, trazia mais riscos para o paciente, a anestesia era feita com bloqueio peribulbar, o paciente ficava muitas vezes internado, para restabelecer a visão demorava-se algumas semanas para o olho desinflamar e então voltar a enxergar normalmente. Então existia alguns riscos maiores nessa cirurgia e consequentemente demorava-se um pouco mais para indicar a cirurgia, mas hoje em dia, com as modernas técnicas de catarata de facoemulsificação e implante de lente intraocular é feito com anestésico local e uma microincisão por volta de 2,0 a 2,5 mm de comprimento. Então é feito uma microincisão na córnea e a cirurgia é muito rápida e aspirado o cristalino que antigamente era removido inteiro, hoje ele é aspirado pela facoemulsificação. O que acontece então é que inverteu-se a história, hoje em dia quanto mais precocemente se remove esse cristalino, ou seja, quanto mais verde ele está, mais fácil e mais rápida é a cirurgia.

Olga Goulart – A cirurgia de catarata é realizada com anestesia tópica, ou seja, através de colírios, leva em média 20 minutos e não precisa de internação. Isso é verdadeiro ou falso?
Dr. Daniel Braga – É verdadeiro, como acabei de informar, é a facoemulsificação. Essa cirurgia hoje ela é rápida, segura, é feita através de uma microincisão na córnea, em média de 2,2 a 2,5 mm de comprimento, a cirurgia não dá ponto no olho, é super-rápida e segura.

Olga Goulart – Apesar de não precisar de pontos e a recuperação da visão ser rápida, a cirurgia de catarata dói, pois os olhos ficam saltados para fora durante esse procedimento. Isso é verdade ou é mito doutor?
Dr. Daniel Braga – É mito. Não, o olho não fica saltado para fora durante o procedimento, não remove o globo ocular da cavidade orbitária para fazer a cirurgia, nada disso, é feita apenas com a abertura das pálpebras, coloca-se um aparelho que chama-se blefarostato. É um aparelhinho que mantém as pálpebras abertas e então o cirurgião, através do microbisturi, faz a incisão na córnea, essas incisões hoje em dia podem ser feitas até com laser e então o globo ocular, a catarata é operada, é removida com o olho na mesma posição, não sangra, porque a córnea é um tecido avascular, é feito a facoemulsificação, a  aspiração do cristalino e por essa mesma incisão de 2,0 mm é injetada uma lente intraocular. Essa lente, ela vem toda enroladinha no injetor, a medida que ela é injetada dentro do olho, ela se abre e fica na posição. Então a cirurgia é bem rápida e segura.

Olga Goulart – Não é possível lavar a cabeça e nem dormir do lado do olho operado após a cirurgia de catarata. Isso é verdade ou é mito?
Dr. Daniel Braga – Em parte é verdade e parte é mito. Vamos lá, é mito que não pode lavar a cabeça depois da cirurgia, eu até recomendo os meus pacientes que necessitam de fazer a limpeza ao couro cabeludo, lavar a cabeça, pode lavar com a cabeça virada para trás, eu recomendo que vá a um salão de beleza, de cabeleireiro e lave naquelas cadeiras apropriadas para se lavar a cabeça, não deixando escorrer a água nos olhos e assim que terminar a lavagem, pingue o colírio que é utilizado no pós-operatório. Mas em relação a dormir do lado operado, aí sim, não se deve fazer, deve-se evitar de dormir deitado do lado da cirurgia por um período de duas a três semanas, até que ocorra a completa cicatrização do olho e a lente intraocular esteja totalmente cicatrizada e aderida na parte interna do olho.

Olga Goulart – É correto afirmar que, após a cirurgia, a catarata nunca mais irá voltar doutor?
Dr. Daniel Braga – É correto. Isso é absoluta verdade, que a partir do momento que foi removido aquele cristalino doente ele não existe mais, o que se tem ali agora é uma lente intraocular artificial. Então se não tem mais o cristalino, não vai ter mais a catarata.

Olga Goulart – Para finalizar doutor, nós recebemos uma pergunta através das redes sociais que é a seguinte: “doutor, o meu pai é diabético e ele tem catarata, ou seja, ele pode fazer a cirurgia, há contraindicação para a cirurgia, doutor?”.
Dr. Daniel Braga – Sim, ele pode fazer a cirurgia e deve fazer o quanto antes. A gente sabe que o paciente diabético é um paciente com alto risco para desenvolver a retinopatia diabética que é uma doença onde a diabete afeta a retina, o fundo do olho. Então se você tem uma catarata na frente, tampando a visão, é mais indicado remover logo essa catarata o quanto antes para proporcionar uma melhor visão a esse paciente e também para proporcionar o mais fácil tratamento da retina, porque com a catarata obstruindo o eixo visual, nem o paciente consegue enxergar bem e nem o médico também não consegue ter acesso a retina, ao fundo do olho do paciente para poder tratar a retinopatia diabética caso ela venha a se desenvolver.

Olga Goulart – Ok, conversamos com doutor Daniel Braga, médico oftalmologista. Doutor, muito obrigada e até a próxima!