NOSSOS VÍDEOS

Vídeo Completo - Série Ressonância Magnética

 (071) 37... Ver mais >

Viva Mais Viva Melhor – Qual a diferença da tomografia computadorizada para a ressonância magnética?
Dr. José Luiz Ferreira – Os dois métodos têm como objetivo obter imagens do corpo humano. A tomografia utiliza radiação ionizante, o que deve ser evitado na medida do possível. É um exame mais rápido, excelente para avaliação do pulmão e face. A ressonância não utiliza radiação, o que é uma grande vantagem. O exame é mais demorado. As imagens obtidas pela ressonância magnética têm uma maior diferença entre os tecidos do corpo, resultando em imagens anatômicas de alta resolução.

Viva Mais Viva Melhor – Quando a ressonância é mais indicada? Quais as partes do corpo que são melhor estudadas através do exame?
Dr. José Luiz Ferreira – As aplicações são inúmeras. As mais usadas são estudos das doenças do cérebro, coluna e articulações como joelho e ombro. É também aplicada para avaliação de patologias abdominais, como doenças do fígado, vias biliares, útero, ovários e muitas outras.

Viva Mais Viva Melhor – É preciso alguma preparação para a realização do exame?
Dr. José Luiz Ferreira – O primeiro passo é excluir quem não pode fazer o exame. Antes de entrar no aparelho, todos os pacientes devem ser entrevistados por um profissional qualificado. Quanto ao preparo, exceto pelo jejum para exames de abdome e pelves, não há preparo para a grande maioria dos exames.

Viva Mais Viva Melhor – O paciente pode sentir dor durante a realização do exame?
Dr. José Luiz Ferreira – Não! O exame não é doloroso, um pouco ruidoso e barulhento, o que pode ser minimizado com o uso de protetores auriculares.

Viva Mais Viva Melhor – E quem tem metais no corpo, como aparelho nos dentes, pinos na perna ou marcapasso, pode realizar o exame? Quais as suas principais contraindicações?
Dr. José Luiz Ferreira – O potente campo magnético causa interferência em equipamentos eletrônicos e atrai estruturas ferromagnéticas. Alguns dispositivos médicos, como marcapasso, clips de aneurisma intracranianos ferromagnéticos e implantes cocleares impossibilitam e contraindicam a realização do exame. Fragmentos metálicos no crânio, em particular nas órbitas, também contraindicam o exame. Aparelhos ortodônticos e material metálico cirúrgico ortopédico, em geral, não possibilitam o exame, mas se a região estudada for próxima a estes, os mesmos podem causar artefatos que poderão prejudicar as imagens. Cada caso é um caso e é muito importante a entrevista antes do exame.

Viva Mais Viva Melhor – Quanto tempo em média leva o exame de ressonância? Por que o paciente precisa ficar imóvel?
Dr. José Luiz Ferreira – O tempo de duração do exame varia de acordo com a região do corpo e com a patologia a ser estudada. A maioria dos exames demora cerca de 20 a 30 minutos. Durante o exame são realizadas várias sequências para aquisição das imagens, sendo importante o paciente não se mexer, pois, como numa fotografia, as imagens podem ficar distorcidas.

Viva Mais Viva Melhor – Alguns exames de imagens são realizados com aplicação de contraste venoso. Para que serve essa substância?
Dr. José Luiz Ferreira – O contraste venoso é uma ferramenta muito importante em determinadas condições clínicas, principalmente no crânio e abdome, aumentando a sensibilidade do método e melhor caracterização das lesões, permitindo um diagnóstico mais preciso, fornecendo informações importantes para o médico que solicitou o exame e assim ele poder fornecer um tratamento mais adequado aos seus pacientes.

Viva Mais Viva Melhor – O procedimento tem algum risco, doutor?
Dr. José Luiz Ferreira – Excluindo as contraindicações, tais como marcapasso, implantes cocleares e outros dispositivos médicos, o exame sem contraste não apresenta qualquer risco. Quando o contraste se faz necessário há um risco de reação adversa como a de qualquer outro medicamento. O contraste da ressonância é considerado seguro, com menor índice de complicações do que o contraste utilizado em tomografia computadorizada. Esta é outra vantagem da ressonância em comparação com a tomografia.

Viva Mais Viva Melhor – Qual a importância de se levar um exame anterior no dia da realização de um novo procedimento?
Dr. José Luiz Ferreira – É muito importante que o paciente leve os exames anteriores, principalmente pacientes oncológicos ou portadores de doenças crônicas, submetidos a terapêutica específica e que seu médico quer saber como ele está reagindo. Se deve continuar o tratamento, suspendê-lo ou modificá-lo. A comparação do exame atual com o exame anterior facilitará a uma conclusão. Quando o exame de controle é realizado na mesma instituição, geralmente o exame anterior já está neste local em algum arquivo eletrônico. Mas se for realizar em outra instituição diferente, é recomendável que o paciente leve os exames anteriores.

Viva Mais Viva Melhor – Em quanto tempo o paciente receberá o resultado de exame de ressonância magnética?
Dr. José Luiz Ferreira – O prazo varia entre os serviços. Como a ressonância magnética é um exame de maior complexidade diagnóstica, em geral o resultado demora cerca de 3 dias na rotina geral. Nas urgências, o resultado poderá ser reduzido para alguns minutos.

Viva Mais Viva Melhor – A ressonância magnética é um procedimento caro, doutor? Há cobertura pelos planos de saúde? É possível realizar este exame pelo SUS?
Dr. José Luiz Ferreira – Já foi muito caro. Atualmente, considerando toda a tecnologia empregada, e os benefícios trazidos aos pacientes, é relativamente barato. Hoje em dia, algumas especialidades médicas como neurologia, ortopedia e oncologia são fortemente dependentes dos exames de ressonância para avaliação correta das patologias envolvidas. Graças aos avanços tecnológicos, hoje o método é amplamente disponível e presente em todos os grandes hospitais e serviços de imagem em nosso estado. Sendo coberto pelos planos de saúde e pelo SUS, apesar do acesso por esta última via ser bastante demorada.