NOSSOS VÍDEOS

Vídeo Completo - Estresse

O que é o estresse?

O estresse na verdade é uma resposta do corpo a fatores estressores, por isso que é bom a gente ter oportunidade de esclarecer que o fator estressor é aquilo que causa o estresse, ou seja, trânsito, violência, a insegurança, salário, relacionamentos profissionais, relacionamentos pessoais, esses fatores estressores é que causam o estímulo no corpo e o estresse na verdade é a resposta a estes estímulos, isso que é o estresse, a resposta do nosso corpo aos diversos fatores que nos estressam no dia a dia.

Doutor Viterbo, é verdade que existe o estresse bom e o estresse ruim?

É verdade. Existe o estresse que pode ser bom e o estresse que pode ser ruim. Como é que o estresse pode ser bom? Ele vai ser bom quando em um determinado momento ele vai lhe ajudar a tomar alguma atitude normalmente abrupta. Por exemplo, se você for atravessar uma rua e o carro der um freio em cima de você o seu corpo tem uma coisa preparada que é o sistema nervoso autônomo, o sistema nervoso simpático vai reagir a este estímulo da buzina e vai produzir adrenalina, vai fazer com que seu coração bata mais rápido, com que seu pulmão aumente a frequência respiratória, o seu fígado produza mais glicose para que seus músculos fiquem fortes e você possa correr e se salvar, então esse é o estresse positivo. Por exemplo, se você tiver uma prova, um concurso, uma meta, ele lhe impulsiona, o esportista que tem uma prova ou algum tipo de medalha para disputar ele é muito positivo. 

Quando é que esse estresse deixa de ser bom e positivo e passa a ser ruim? É quando a pessoa fica exposta muito tempo a este estresse. Então é quando a gente tem, por exemplo, as nossas metas que nós não atingimos, nossos problemas familiares, problemas profissionais, dívidas, quando esse estresse fica constante ele em vez de ser positivo ele torna-se negativo e a pessoa começa a adoecer porque essa quantidade de adrenalina, esse coração batendo rápido demais, esse pulmão que está respirando ofegante, essa glicose que está sendo jogada na sua corrente sanguínea torna-se ruim para a sua saúde.

Como a ciência classifica o estresse?

A ciência hoje classifica o estresse desde o tempo em que Hans Selye descreveu no início do século passado em 3 fases. 

A primeira fase do estresse é a fase onde a pessoa tem o estímulo chamado fase de alerta, é aquele momento que é impulsionador, que é a fase boa que nós já citamos, a fase boa do estresse, por exemplo, saiu o edital de um concurso para uma pessoa que está estudando, ela vai ter um estímulo nessa primeira fase, ela vai dormir mais tarde, ela vai estar mais empolgada, ela vai conseguir chegar até aquela data bem estimulada. Essa é uma fase importante motivacional.

A segunda fase é a fase de adaptação. Imagine que aquele concursante não passou neste concurso e saiu um novo edital e ele continua naquele estímulo, então o que era estímulo, o que era alerta já vira adaptação, ele consegue se adaptar, o corpo fica por um tempo com aquela taquicardia, com aquele aumento da glicose, aquele aumento da respiração e o aumento da adrenalina e por fim se essa fase continua, se essa pessoa continua nesse mesmo ritmo ela vai cair inevitavelmente na terceira e pior das fases que é a exaustão. É quando o corpo já não aguenta mais aquele estímulo constante, que no início foi de alerta, que no meio foi de adaptação, mas que no decorrer do tempo o corpo de verdade não consegue mais suportar toda essa pressão dessa adrenalina em cima dos órgãos e vai ter a exaustão, que é a fase onde o paciente começa a demonstrar depressão, problemas emocionais, gastrite, alterações intestinais, diarreia, obstipação, doenças de pele, doenças de relacionamento, principalmente de impaciência e intolerância com as pessoas. Então a fase de exaustão é uma fase que já coloca o paciente num risco de saúde importante e que deve ser tratado.

Quais os tratamentos para o estresse?

Existem diversos tratamentos para o estresse. Você pode prescrever medicamentos, você pode orientar seu paciente que faça terapia, atividade física, reeducação alimentar, a própria acupuntura é muito útil, a ioga, uma série de coisas que façam com que você consiga modificar os seus hábitos que estejam de alguma forma precisando ser alterados pelos motivos causadores. Mas o grande tratamento do estresse é a prevenção, é você evitar os fatores estressores, aquilo que de alguma forma faça com que seu corpo responda a estes estímulos, seja seu relacionamento profissional, seu relacionamento pessoal, seja a sua vida no seu dia a dia, no seu condomínio, na sua faculdade, no seu colégio, no seu trabalho, o que lhe causa estresse e o que são os fatores estressores é quem devem ser evitados. E por último se você não pode evitar isso, se não pode evitar a violência, o trânsito, que você mude a sua percepção, como você ver aquilo que estressa outras pessoas e você pode exatamente nesse momento já que você está dirigindo o carro da sua vida, tentar não responder ou não realmente se estressar com aquilo que lhe causa essas respostas. A prevenção e a forma como você vê os fatores estressores é a grande forma de tratar o estresse.