NOSSOS SPOTS

Vídeo Completo - Câncer Estômago

 (071) 99... Ver mais >

Viva Mais Viva Melhor – O que é o câncer de estômago?
Dr. Thiago Francischetto – O câncer de estômago, também conhecido como câncer gástrico, se inicia no estômago a partir do crescimento de células anormais deste órgão e pode ocorrer em qualquer local de sua extensão. Grande parte deste tipo de tumor ocorre na camada mucosa, a camada de revestimento interna, surgindo na forma de irregularidade pequenas lesões ou ulcerações. Conforme a evolução do câncer estas células anormais vão gradualmente substituindo o tecido normal do órgão propagando-se para outras camadas do estômago e podendo, também, acometer órgãos vizinhos e dar metástase, ou seja, espalhar para outros órgãos.

Viva Mais Viva Melhor – O que causa o câncer de estômago?
Dr. Thiago Francischetto – Na grande maioria dos casos, o câncer de estômago está relacionado a fatores ambientais e não genéticos. A infecção com a bactéria H. Pylori é uma das principais causas do câncer de estômago, especialmente na parte inferior do órgão. Uma infecção por muito tempo com este germe pode conduzir a alterações e lesões pré-cancerosas no estômago. Alguns alimentos também têm relação com o câncer de estômago, entre eles estão os alimentos conservados de forma inadequada e a carne salgada. A carne salgada sob efeito de bactérias produz aminas, substância que se transformam em cancerígenas e podem promover o câncer.

Viva Mais Viva Melhor – Por que há uma incidência maior de câncer de estômago nas regiões norte e nordeste?
Dr. Thiago Francischetto – Pois é. No mundo todo, principalmente os países desenvolvidos, nós estamos vendo uma redução na incidência do câncer gástrico, principalmente devido a melhor conservação dos alimentos e dieta mais adequada. Na Bahia nós ainda não vemos isso e acreditamos que isso se deve principalmente aos hábitos alimentares. O que vemos ainda é um alto consumo de carne do sol e de charque, má conservação dos alimentos e uma dieta pobre em alimentos saudáveis. A geladeira parece cuidar melhor dos alimentos e reduzir a presença de agentes nocivos, mas é preciso observar com cuidado de que forma este alimento é conservado na própria geladeira.

Viva Mais Viva Melhor – A gastrite pode levar ao câncer de estômago?
Dr. Thiago Francischetto – Na grande maioria das vezes a gastrite é um problema benigno e que pode ser resolvida apenas com o uso de medicações. A gastrite que preocupa, e que pode levar ao câncer, é a chamada gastrite crônica atrófica, que está associada a bactéria H. Pylori e que deve ser tratada com medicações para erradicar a bactéria e parar o processo que pode levar ao câncer.

Viva Mais Viva Melhor – Existe mais de um tipo de câncer de estômago?
Dr. Thiago Francischetto – Sim, existem vários tipos de câncer de estômago, mas o mais comum e responsável por cerca de 90% dos casos, é o adenocarcinoma. É o terceiro tumor mais frequente no mundo, atrás apenas do câncer de pulmão e de mama. A sua incidência tem diminuído nos países ocidentais, mas mesmo assim continua como uma das principais causas de morte no mundo.

Viva Mais Viva Melhor – O que o paciente com câncer de estômago sente?
Dr. Thiago Francischetto – O câncer de estômago tende a se desenvolver lentamente ao longo de muitos anos. Antes do aparecimento do câncer propriamente dito, alterações pré-cancerosas ocorrem frequentemente no revestimento do estômago. Estas alterações precoces raramente causam sintomas e, portanto, muitas vezes passam despercebidas. Com o crescimento da lesão outros sintomas vão aparecendo como náuseas, vômitos, dores abdominais, perda de peso que podem ser confundidos com outros problemas gastrointestinais. Nos casos avançados, o paciente pode apresentar grandes dificuldades de se alimentar, perda de peso importante e até sangramento digestivo. O importante é procurar um médico assim que notarmos algum sintoma diferente.

Viva Mais Viva Melhor – Como é feito o diagnóstico do câncer de estômago?
Dr. Thiago Francischetto – A endoscopia digestiva é o exame de escolha para avaliar a presença de lesão no estômago e realizar a biópsia para confirmar o diagnóstico. Pode ser realizada ambulatorialmente sem a necessidade de internamento e é capaz de identificar pequenas lesões possibilitando o diagnóstico precoce do câncer.

Viva Mais Viva Melhor – Quando devo fazer a endoscopia?
Dr. Thiago Francischetto – Aqui no Brasil nós só indicamos na presença de algum sintoma. Não é um exame que deve ser feito de rotina como método de rastreamento assim como a mamografia para o câncer de mama ou a colonoscopia para o câncer de intestino que deve ser realizado a partir de uma certa idade. Assim, a presença de qualquer sintoma abdominal de início recente deve ser investigada com a realização de endoscopia.

Viva Mais Viva Melhor – Existe cura para o câncer de estômago?
Dr. Thiago Francischetto – Sim. O mais importante, assim como em outros tumores, é o diagnóstico na fase inicial. Por exemplo, quando o diagnóstico é realizado no estágio 1, a chance de cura é de acima de 90%, isso piora bastante com a evolução da doença, chegando a menos de 10% no estágio 4, que é o estágio mais avançado. Por isso é importante procurar um médico assim que apresentar qualquer sintoma.

Viva Mais Viva Melhor – Qual o tratamento para o câncer de estômago?
Dr. Thiago Francischetto – O tratamento principal e único, que pode levar o paciente a cura, é o tratamento cirúrgico. A cirurgia consiste na retirada de parte do órgão ou, as vezes, até mesmo de todo o estômago, a depender do tamanho da lesão e da localização. Uma lesão localizada na parte distal do estômago pode permitir a retirada de apenas uma parte do estômago. Já as lesões mais proximais, na grande maioria das vezes, são necessárias a retirada de todo o estômago. Vale ressaltar que além do estômago é necessário retirar também toda a drenagem linfática para onde o tumor pode se disseminar. É uma cirurgia que deve ser realizada por um cirurgião habituado e treinado a tratar câncer, pois isso tem influência no resultado a longo prazo.

Viva Mais Viva Melhor – Os pacientes precisam fazer quimio ou radioterapia?
Dr. Thiago Francischetto – A quimioterapia e a radioterapia também são tratamentos importantes e complementares à cirurgia. As vezes podem ser realizadas antes da cirurgia, depois da cirurgia e, nos casos mais avançados, podem ser os únicos tratamentos realizados. Muito avanço tem sido obtido com estes tratamentos e novas drogas promissoras devem chegar ao mercado em breve, aumentando o sucesso do tratamento.

Viva Mais Viva Melhor – O paciente consegue comer depois da cirurgia?
Dr. Thiago Francischetto – Sim, mesmo nos casos em que é necessário retirar todo o estômago, os pacientes voltam a comer pela boca. No começo devem seguir uma dieta orientada pelo nutricionista, comer várias vezes por dia e em menor quantidade. Com o passar do tempo, o que se observa é que estes pacientes voltam a comer praticamente igual ao que era antes da cirurgia, recuperando inclusive o peso perdido.

Viva Mais Viva Melhor – Qual o profissional capacitado para fazer o diagnóstico e conduzir o tratamento do câncer, doutor?
Dr. Thiago Francischetto – Todo o paciente com câncer deve ser visto pelo especialista, que é o oncologista cirúrgico ou o oncologista clínico. Nós sabemos que uma cirurgia de câncer é diferente de uma cirurgia para um problema benigno, precisamos tomar certos cuidados, é diferente. Hoje vários estudos mostram que uma cirurgia de câncer, feita de uma maneira inadequada, pode influenciar negativamente no resultado a longo prazo destes pacientes, e isso vale para todos os tipos de câncer não só o de estômago. Por isso, diante do diagnóstico de um câncer de estômago, a primeira coisa é escolher bem o especialista que vai cuidar e de você, isso com certeza pode ter influência futura.

Viva Mais Viva Melhor – O que devo fazer para cuidar do estômago?
Dr. Thiago Francischetto – Falar é sempre fácil, mas para cuidar bem do estômago as pessoas devem evitar o fumo e não devem comer alimentos malconservados, muito condimentados e nem muito salgados. Além disso, a pessoa deve fracionar as refeições, ou seja, comer a cada 3 ou 4 horas, mastigar bem os alimentos e não tomar antiácidos sem prescrição médica e por tempo indeterminado. Outra medida importante é investigar sempre as causas de dor no estômago, na maioria das vezes não é câncer gástrico, mas vale a pena investigar.