NOTÍCIAS VIVA MAIS

Terapia ajuda crianças autistas a lidarem melhor com vida cotidiana

Dificuldades sociais são um dos principais problemas para as crianças e adolescentes com Transtorno do Espectro Autista (TEA). Especialmente quando a sua inteligência não é afetada, tornam-se cada vez mais conscientes, no decorrer do seu desenvolvimento, o fato de que eles são diferentes. No âmbito da terapia de grupo desenvolvido na Universidade de Frankfurt, crianças e adolescentes podem aprender a lidar melhor no mundo social e também alcançar um efeito duradouro. Isto é confirmado por estudos clínicos que examinaram 209 crianças e adolescentes com idades entre 8 e 18, ao longo de três anos.

"Geralmente encontramos crianças e adolescentes com TEA que gostariam de se comunicar com os jovens da sua idade, porém, eles acabam sendo rejeitados porque são incapazes de compreender muito o comportamento de seus colegas de classe. E isso faz com que eles se desesperem", explica a professora Christine Freitag, Chefe do Departamento de Psiquiatria Infantil e Adolescente, Psicossomática e Psicoterapia. Juntamente com Dr. Hannah Cholemkery, ela desenvolveu um programa de terapia comportamental em grupo com instruções e exercícios para o aperfeiçoamento de aptidões sociais.

Até o momento, terapias de grupo para o treinamento de habilidades sociais para as pessoas com TEA foram investigadas no quadro de ensaios menores, sem qualquer medida de estabilidade. O objetivo do "Trial SOSTA-net" foi examinar se a capacidade de resposta social de crianças e adolescentes poderia ser levantada por meio de grupo baseado em terapia comportamental. Isto ocorreu com a ajuda de um questionário padronizado, em que 65 padrões de comportamento foram avaliados pelos pais antes do início da terapia de grupo, no fim da intervenção e três meses após o fim da intervenção, a fim de medir a estabilidade.

A terapia aconteceu uma vez por semana, ao longo de três meses, com grupos de quatro a cinco jovens da mesma idade e dois terapeutas. Havia também três noites de pais. Os resultados foram comparados com os de um grupo da lista de espera. Houve uma clara melhoria no comportamento social no grupo de intervenção, que também se manteve estável após três meses, quando examinado novamente.

*Em especial as crianças com sintomas graves e um QI mais elevado, no início da terapia, foram capazes de lucrar com isso.