NOTÍCIAS VIVA MAIS

Outubro Rosa: Os diferentes exames da mama e as suas importâncias

Fazer exames e se consultar com um especialista é sempre a melhor maneira de diagnosticar doenças de forma precoce. Por isso, para finalizar o mês que dá destaque ao câncer de mama, o Outubro Rosa, o Viva Mais Viva Melhor aborta as mulheres e a preocupação com o câncer de mama, tumor maligno que mais leva as brasileiras à morte. Alguns exames são de fundamental importância para investigar a doença e, por conta disso, o portal convidou o médico Dr. Marco Antônio Barbosa Filho, especialista em Mastologia, para explicar sobre cada um deles.

Quando a mulher deve começar a fazer exames nas mamas?
A recomendação de fazer a mamografia, que é o exame mais importante para detecção do câncer de mama, é a partir dos 40 anos, para qualquer mulher, ou a partir de 10 anos antes de quando algum parente foi diagnosticado com o câncer de mama. Por exemplo, se a mulher tiver uma mãe ou irmã que teve o câncer de mama aos 45 anos, ela deve começar a fazer 10 anos antes, ou seja, com 35 anos.

Quais exames podem identificar e confirmar um câncer de mama?
A mamografia, que detecta nódulos pequenos e microcalcificações, é o exame mais importante para o rastreamento do câncer de mama. Já o ultrassom de mama, serve como exame auxiliar, para detecção de nódulos e cistos.

Quando é utilizada a ultrassonografia das mamas?
A ultrassom auxilia bastante a mamografia. Se for detectado um nódulo na mamografia, o ultrassom pode esclarecer que esse nódulo. Na verdade, se trata de apenas um cisto, que é o acúmulo de líquido que se forma dentro da mama e ajuda as pacientes, que precisam fazer uma biópsia ou uma punção, fazer pela ultrassom. Geralmente é mais fácil e mais tranquilo para paciente e, a depender, se tiver algum nódulo ou algum cisto, esse exame pode ser feito a cada 6 meses. 

Qual a finalidade do exame de mamografia?
A mamografia é um exame de imagem, feito através de radiação, de raio-X, mas é uma radiação muito baixa, uma dose que corresponde a 1% da dose de uma tomografia, por exemplo. O exame é feito, principalmente, para detecção do câncer de mama, porque ele é capaz de detectar pequenos nódulos ou microcalcificações, ou seja, antes de formar o nódulo do tumor, ocorrem essas microcalcificações e a mamografia consegue detectar essas alterações.

Como é realizada a mamografia?
O exame, realmente, tem que apertar a mama, porque é necessário fazer uma certa compressão no tecido mamário para que a imagem fique mais nítida. Pode incomodar um pouco as mulheres. A mama é uma região sensível, então, algumas mulheres têm mais sensibilidade que outras. Geralmente, quando a mulher faz o exame no período pré-menstrual, que a mama está um pouco mais sensível, pode incomodar mais. Os aparelhos novos tem conseguido fazer esses exames com menos dor, menos incômodos para as pacientes.

Qual a diferença entre a mamografia e o ultrassom?
Na mamografia, como são usados raio-X, o exame consegue detectar as microcalcificações, que são alterações iniciais do câncer de mama, a melhor fase para iniciar o tratamento. Já o ultrassom é um exame feito através de ondas sonoras, que são emitidas pelo aparelho e detecta e ajuda a diagnosticar os nódulos. Como é um exame feito em tempo real, é bom para se fazer biópsia, quando é necessário fazer a biópsia, ou fazer alguma punção, que é feita guiada pelo ultrassom.

O que fazer caso o diagnóstico não seja claro?
Algumas pacientes têm a mama muito densa, então, mesmo a mamografia não consegue fazer uma boa imagem para se diagnosticar. Nesses casos, pode-se fazer a ressonância magnética das mamas. Mas, é importante dizer que nem a mamografia, nem o ultrassom confirmam que exista o tumor. Os exames dão uma suspeita e, a partir daí, vai ser necessário ou não fazer uma biópsia. Essa biópsia é que vai confirmar ou não se as células que estão naquela área deram alteração, se estão doentes ou não.