NOTÍCIAS VIVA MAIS

Ortodontia Infantil: Quando a criança deve colocar aparelho nos dentes?

Especialidade da odontologia que tem o objetivo de alinhar os dentes para a melhoria da saúde bucal e do sorriso da pessoa, a ortodontia diagnostica, trata e previne dentes desalinhados, com o auxílio de aparelhos ortodônticos, fixos aos dentes ou removíveis. Problemas ortodônticos, tanto dentários quanto esqueléticos, podem ter origem hereditária, ou seja, serem transmitidos de pais para filho. O tamanho dos ossos maxilares e o tamanho dos dentes são típicas influências familiares hereditárias. Outro grupo de problemas são os adquiridos durante a vida do indivíduo pela sucção de chupeta, dedo, problemas respiratórios, cáries dentárias, perda de dentes ou, até mesmo, traumatismos.

O ideal é que a primeira avaliação do paciente seja feita em torno dos 7 anos de idade. O exame precoce de uma criança permite que o ortodontista avalie e detecte problemas ortodônticos e planejem algum tipo de intervenção, se necessário, naquele momento. Caso contrário, ele orientará os pais para retornarem em outra época para um novo exame ou, até mesmo, para iniciar o tratamento ortodôntico corretivo. 

“A criança que está sendo acompanhada por um odontopediatra pode ser encaminhada para um ortodontista a qualquer momento, desde que o profissional observe alguma alteração na dentição que mereça uma maior atenção. Raramente, alguma intervenção é realizada antes dos 4 anos de idade da criança, por conta da falta de colaboração por parte desta” (Dra. Ana Carolina Guimarães, Odontologista especialista em Ortodontista)

Se, durante o exame da criança, o ortodontista detectar algum problema que exija intervenção imediata, indicará um tratamento interceptativo. Esse tipo de abordagem pode alcançar resultados que não seriam possíveis após o término do crescimento da face e seu objetivo é diminuir a gravidade do problema, reduzindo a complexidade do futuro tratamento corretivo.

Benefícios do tratamento interceptativo
- Possibilitar a eliminação de hábito de sucção de dedo ou chupeta;
- Hábito de interposição de língua e hábitos de postura de lábios;
- Permitir o desenvolvimento normal da fala;
- Avaliar a existência de problemas respiratórios que possam afetar o crescimento da face;
- Corrigir mordidas cruzadas que estejam presentes;
- Garantir que os dentes se relacionem de maneira adequada durante a mastigação e deglutição;
- Bem como, melhorar a autoestima do paciente.