NOTÍCIAS VIVA MAIS

Laserterapia melhora saúde bucal do paciente com câncer

O suporte de um cirurgião-dentista no tratamento de pacientes oncológicos é, hoje em dia, algo fundamental. Como os procedimentos de quimioterapia e a radioterapia, geralmente, baixam as defesas do organismo de pacientes com câncer, podem ocorrer complicações na cavidade bucal. E é nessa hora que entra em cena o profissional da odontologia, responsável em amenizar essas complicações, através de um tratamento preventivo e curativo, de forma a oferecer uma melhor qualidade de vida para o paciente com câncer. 

Após exame clínico e físico, o cirurgião-dentista especialista em oncologia, vai definir o tratamento de adequação do meio bucal, como, por exemplo, extrações dentárias, tratamento periodontal, restaurações ou, até mesmo, troca de restaurações, a fim de evitar maiores danos bucais e sistêmicos durante e após o tratamento oncológico. “É importante explicar o tratamento proposto para o paciente, como, por exemplo, a laserterapia, que ajudar no processo de mucosite oral e das novas lesões que, possivelmente, podem aparecer na boca”, explica a Dra. Marta Jones, odontologista especialista em clínica e laserterapeuta, cursando especialização em implantodontia.

São diversas as complicações, as lesões bucais inflamatórias, que podem atrapalhar o curso do tratamento oncológico, dentre elas, a mucosite oral, processo inflamatório que exibe alteração na mucosa bucal decorrente da ação fitotóxica de alguns agentes quimioterápicos e da radiação ionizante na região de cabeça e pescoço, caso o paciente tenha câncer nessa região. Esse processo também pode atingir o trato esofágico e gastrointestinal, no caso de úlceras na mucosa. Além da mucosite, o paciente com câncer pode desenvolver a candidíase oral, herpes vírus, cárie por radiação, a osteonecrose, trismo (dificuldade do paciente abrir a boca), ulcerações salivares, xerostomia e sensação de boca seca, dor, disfagia (dificuldade em deglutir os alimentos), disgeusia (alterações no paladar), sensibilidade dentinária, neuroplasticidade, radiodermatite, entre outras complicações.

Vale ressaltar, que o tratamento odontológico mais importante para os pacientes oncológicos é a orientação de higiene bucal. Como a mucosa bucal dos pacientes com câncer encontra-se bastante sensível, é importante fazer uma higienização com cuidado, com muita cautela. É importante ter o controle de bactérias presentes na boca para não agravar possíveis lesões bucais causadas pela radioterapia e quimioterapia. Além disso, a laserterapia mostra-se muito eficaz no tratamento e na prevenção dessas lesões, já que o laser tem ação analgésica e anti-inflamatória, melhorando na alimentação e, consequentemente, no sistema imunológico do paciente. “Caso o paciente apresente qualquer alteração na boca, tanto o paciente ou o responsável, deve entrar em contato, imediatamente, com o cirurgião-dentista para reverter essa situação. O cirurgião-dentista oncológico sempre deve estar em contato com a equipe médica especializada, a fim de evitar e, até mesmo, de atrapalhar o andamento do tratamento oncológico”, finaliza a Dra. Marta Jones

Recomendações básicas de higiene bucal para o paciente oncológico
- Escovar os dentes, no mínimo, três vezes ao dia, de manhã, de tarde e de noite, principalmente antes de dormir. As escovas devem apresentar cerdas macias, para promover menor trauma na gengiva.
- O uso do fio dental deve ser feito com muita cautela, com muito cuidado, porque o fio dental, usado de forma incorreta, pode traumatizar a gengiva e, nessa região, pode acabar desenvolvendo úlceras, além da dor, vai comprometer na parte de alimentação do paciente.
- Realizar bochechos apenas quando orientado pelo dentista, nunca deve estar fazendo bochecho com uma solução que contenha álcool, aplicar diariamente o flúor neutro, conforme a orientação odontológica.
- Utilizar protetor labial.