NOTÍCIAS VIVA MAIS

Esclerose Múltipla pode ser evitada com remédio para epilepsia

Atualmente, não existe qualquer tratamento para evitar danos nos nervos em pessoas com esclerose múltipla (EM). Mas, de acordo com uma nova pesquisa, publicada na The Lancet Neurology, um medicamento usado atualmente para tratar a epilepsia poderia ajudar no tratamento da esclerose. Os pesquisadores descobriram que uma droga, chamado fenitoína (fármaco do grupo dos antiepilépticos), protege contra danos nos nervos em pessoas com neurite óptica - sintoma comum da esclerose múltipla, no qual o nervo óptico, que transporta a informação visual do olho para o cérebro danificado se inflama. Para algumas pessoas, neurite óptica pode ser o primeiro sinal de EM.

Para os estudos, os pesquisadores analisaram os dados de 86 indivíduos com idades entre 18-60 com neurite óptica. Os participantes foram distribuídos aleatoriamente para receber ou 4 mg / kg ou 6 mg / kg de fenitoína ou um placebo a cada dia, durante 3 meses. No final dos 3 meses, todos os participantes foram submetidos a tomografia de coerência óptica (OCT), que mediu a espessura da camada de fibras nervosas (CFN) na parte traseira do olho. Em comparação com os participantes que tomaram o placebo, aqueles que tomaram fenitoína tinha cerca de 30% menos danos na CFN.

O líder do estudo Dr. Raj Kapoor, do Instituto de Neurologia da University College London, no Reino Unido, elogia estes resultados como "promissores", observando que não só a fenitoína poderia abrir a porta para um novo tratamento para a neurite óptica, mas também pode levar a um novo tratamento para todos os danos nos nervos causados ​​pela EM.

Os pesquisadores concluem:
"Atualmente não há tratamentos que protejam diretamente danos nos nervos em pessoas com EM e, se for eficaz, este tratamento poderia ser benéfico para todos os sintomas da doença. Nosso objetivo é garantir que todas as pessoas com EM tenha acesso a tratamentos eficazes que podem retardar, parar ou reverter os danos causados ​​pela doença".