NOTÍCIAS VIVA MAIS

Dependência Química vai além de um problema social

Falar sobre a dependência química é bastante complicado, é um assunto sério  e difícil. Esse é mais do que um problema social, é uma doença e, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), uma doença grave, crônica e fatal, progride à medida que o indivíduo vai usando, cada vez mais, a substância de sua escolha. Com isso, a família toda sofre, muitas vezes a rotina vira um caos, todos ficam bastante fragilizados e acabam sem conseguir enxergar a chamada “luz no fim do túnel”. Mas, é preciso entender que o papel da família é fundamental para a recuperação do dependente químico na busca da libertação das drogas. 

Assim como várias outras doenças crônicas, a dependência química pode ser tratada, apesar de não ter cura. De acordo com o Dr. Rogério Santos, médico especialista em psiquiatria, de modo geral, para se caracterizar um paciente como dependente químico, existem alguns critérios a serem adotados: 
- A tolerância, quando o indivíduo começa a utilizar a substância e, com o passar do tempo, precisa de doses cada vez maiores para obter o mesmo prazer ou o mesmo efeito que, no passado, conseguia com doses mais baixas. 
- A abstinência, que são os sintomas que surgem toda vez que é interrompido o uso da substância. 

“Se o indivíduo tem tolerância, ou seja, ao longo de anos ele passou a usar cada vez mais a substância, ele tem abstinência toda vez que tira a droga e, com isso, tem sintomas físicos e psicológicos, tais como: angústia, mal estar psíquico e físico pela ausência da droga, associada a várias outras questões, como gastar tempo excessivo procurando a substância, e até mesmo se afastar dos relacionamentos pessoais, familiares, laborais, por conta do uso ou consequência das drogas”. (Dr. Rogério Santos

Existem vários estudos abordando o potencial genético de filhos de dependentes químicos terem maior probabilidade de desenvolver dependência química. Mas, existe, também, uma espécie de hereditariedade ambiental, que nada mais é do que o indivíduo que cresce no ambiente de pais dependentes químicos, além de carregar a carga genética desses pais dependentes, carrega consigo todo o ambiente que ele cresceu, onde a droga era usada, era permissiva, era tolerada. 

As causas da dependência química são multifatoriais. No tratamento da dependência química, existe um triângulo básico:
- De um lado está a substância;
- No outro vértice está o indivíduo e todas as suas angústias pessoais, emocionais e psicológicas e;
- Na outra está o ambiente, o meio, seja o meio familiar ou o meio social que propicia a substância. 

“O tratamento da dependência química acontece em várias etapas. É preciso que, primeiro, se avalie o paciente e se tenha uma noção de qual o estágio da doença ele está. De modo geral, uma das principais estratégias para se tratar a dependência química, ao longo de todo um processo, é o processo psicológico. A psicoterapia, seja ela de grupo ou individual, é extremamente importante. Além disso, algumas medicações, os grupos de autoajuda e o apoio familiar podem ajudar muito”. (Dr. Rogério Santos

É importante destacar que, quando a família descobre a dependência química, muitas vezes, já está em grande desarmonia. Outras vezes, a própria desestruturação familiar acaba levando o indivíduo a apelar para a substância, como analgésico dessas angústias. Por isso, buscar apoio especializado é fundamental para entender o funcionamento desta família. “No final das contas, é preciso focar no paciente que está sofrendo de dependência química, mas, se não tratar a família, não consegue-se ajudar esse paciente. A família precisa entender que vai ter que mudar a forma de lidar em casa com o paciente e esse paciente tem que ter limites, que é algo muito difícil para alguns deles”, finaliza Dr. Rogério Santos.