NOSSAS ENTREVISTAS

Tratamento para Artrite Reumatoide

 (071) 33... Ver mais >

Viva Mais Viva Melhor – Doença autoimune que afeta, principalmente, as pequenas articulações do corpo, a artrite reumatoide não tem cura, mas tem tratamento, que varia de acordo com as características individuais de cada paciente. Para isso, é necessário medir a atividade da doença levando em consideração vários fatores que vão desde a avaliação dos sintomas até estudos radiológicos. Para conversar conosco sobre o assunto, o que há de mais moderno em termos de tratamento para a artrite reumatoide, convidamos a doutora Juliana Bahia Cardozo, especialista em reumatologia.

Doutora, explica para os nossos ouvintes como que habitualmente se apresenta o paciente com artrite reumatoide e qual a importância do diagnóstico precoce desta doença?
Dra. Juliana Bahia Cardozo – O paciente com artrite reumatoide habitualmente procura o consultório com quadro de dor, associado a inchaço, calor e/ou vermelhidão das articulações. As pequenas articulações das mãos, punhos e pés costumam estar frequentemente envolvidas, mas nós podemos também ter o acometimento de grandes articulações como joelhos, ombros e tornozelos. São mais proeminentes pela manhã, quando o paciente pode ter uma certa rigidez de movimento nas juntas afetadas. De forma adicional, pode-se ter também outras queixas como fadiga, perda de energia, falta de apetite, dificuldade de realizar tarefas simples do dia-a-dia como virar a maçaneta e abrir frascos. A importância de se fazer o diagnóstico precoce é que, atuando cedo no paciente, com as medicações apropriadas, você pode evitar que a inflamação contínua leve a uma destruição da articulação, com deformidade e incapacidade funcional.

Viva Mais Viva Melhor – Doutora, quer dizer então que a artrite reumatoide não tem cura?
Dra. Juliana Bahia Cardozo – Dizer que a artrite reumatoide tem cura seria uma afirmação perigosa, já que ela é uma doença autoimune e, como tal, não tem a sua causa ainda muito bem esclarecida. Se a gente não pode erradicar o agente causal fica difícil falar em cura. Por outro lado, felizmente nos dias de hoje com o avanço do tratamento da artrite reumatoide, já é possível falar em remissão, ou seja, o paciente pode ficar dias, meses ou até mesmo anos livre dos sintomas da doença.

Viva Mais Viva Melhor – E quais são as opções de tratamento da artrite reumatoide já que ela não tem cura?
Dra. Juliana Bahia Cardozo – O tratamento da artrite reumatoide consiste numa abordagem medicamentosa e não medicamentosa, visando diminuir a dor e a limitação funcional do paciente com o controle da inflamação da doença. Várias classes de medicamentos podem ser indicadas e combinadas, desde analgésicos, anti-inflamatórios e corticoides até drogas que modifiquem o curso natural da doença, agindo no sistema imunológico e ajudando a impedir a progressão da artrite, tais como Metotrexato, Leflunomida dentre outros. Recentemente, os biológicos chegaram para revolucionar o tratamento, proporcionando o maior controle da doença e qualidade de vida. Vale a pena ressaltar que somente um reumatologista que é o especialista pode prescrever este tipo de tratamento, com o acompanhamento dos possíveis efeitos colaterais e ajustes de dose quando necessário.

Viva Mais Viva Melhor – Doutora, existem novidades em termos de tratamento da artrite reumatoide? A medicina tem evoluído muito, mas eu quero saber se no sentido de trazer mais qualidade de vida aos pacientes portadores da doença.
Dra. Juliana Bahia Cardozo – Sim. Como eu disse anteriormente surgiu a terapia biológica que é uma nova classe de medicação que desde o ano de 2000 vem sendo utilizada no tratamento da artrite reumatoide e várias outras doenças reumáticas, tais como a artrite psoriásica e espondilite anquilosante. Os biológicos são medicamentos produzidos a partir de células vivas desenhadas para combater e neutralizar moléculas ou células responsáveis pelo processo inflamatório. Eles vão agir diretamente sobre os aspectos considerados fora da ordem nas doenças autoimunes. Na reumatologia essas drogas geralmente são anticorpos citocinas ou seus bloqueadores, algumas já bem conhecidas e outras novas. Como exemplo, pode se citar a Infliximabe, Adalimumabe, Etanercept, Certolizumabe, Golimumabe, Abatacept, Tocilizumabe e Rituximabe. Todas elas têm em comum uma tecnologia muito avançada em sua fabricação, o que explica o preço geralmente muito elevado dessas terapias. Através deste tipo de tratamento tem se conseguido alívio importante dos sintomas da artrite, bem como o controle efetivo da inflamação, trazendo qualidade de vida aos pacientes.

Viva Mais Viva Melhor – Doutora, qual a diferença entre as drogas tradicionais e as imunobiológicas no tratamento da artrite reumatoide? Há como prever qual o tratamento trará melhor resultado ao paciente?
Dra. Juliana Bahia Cardozo – Os biológicos são indicados habitualmente quando há falha na resposta a terapia convencional. Eles são produzidos com recursos muito complexos de biotecnologia, sendo este processo muito diferente do utilizado na produção química dos fármacos tradicionais. Além disso, eles são muito mais precisos e seletivos do que os medicamentos convencionais, o que implica num custo muito mais elevado. Outra questão é o fato de que eles habitualmente são utilizados via subcutânea ou endovenosa, ao contrário das drogas tradicionais que são administradas via oral. No momento não existe nenhuma fórmula ou um exame mágico que possa prever a qual tratamento o paciente terá maior benefício. Entretanto, este é o futuro, sendo desenvolvidos estudos para esta finalidade. Na prática, podemos analisar cada caso individualmente, a fim de se obter de forma indireta alguma dica que favoreça a escolha por um determinado tipo de medicação. Alguns biológicos têm demonstrando uma resposta melhor em perfis específicos de pacientes.

Viva Mais Viva Melhor – O tratamento para a artrite reumatoide também pode ser feito via oral em casa ou na maioria dos casos é necessário o uso de medicações venosas em centros de infusão?
Dra. Juliana Bahia Cardozo – O tratamento da artrite reumatoide com as drogas convencionais é feito por via oral em casa. O paciente pode comprar na farmácia ou pegar a medicação de graça no programa estadual de dispensação de medicamentos de alto custo, que aqui em Salvador funciona no Hospital Ernesto Simões Filho e no Hospital das Clínicas. Quando é necessário o uso de biológicos, que são administrados por via subcutânea ou endovenosa, estes devem ser realizados em centros de infusão, clínicas ou hospitais especializados sob o acompanhamento do reumatologista.

Viva Mais Viva Melhor – Doutora, após um controle adequado da doença é necessário manter o tratamento indefinidamente ou é possível diminuir ou suspender o uso destas medicações?
Dra. Juliana Bahia Cardozo – O tratamento hoje em dia visa a remissão ou baixa atividade de doença. Quando alcançado este nível, o médico assistente pode analisar cada caso individualmente sendo possível a diminuição ou até mesmo a suspensão de determinados tipos de medicamentos. Entretanto, na maioria das vezes, por ser uma doença crônica, algum tipo de tratamento acaba sendo mantido indefinidamente, pois muitos estudos têm demonstrado que após a suspensão das drogas a doença tende a se manifestar de novo.

Viva Mais Viva Melhor – Existem terapias complementares que podem funcionar também para o tratamento da artrite reumatoide?
Dra. Juliana Bahia Cardozo – Os pacientes com doença crônica como é o caso da artrite reumatoide frequentemente buscam terapias alternativas como uma forma de tratamento de sua condição. Essas terapias incluem dietas, meditação, biofeedback, acupuntura, massagens, quiropraxia, homeopatia, dentre outros. Na maioria das vezes, entretanto, faltam estudos científicos sobre a segurança e eficácia destes tratamentos, ou seja, não é possível afirmar que tal terapia traz um benefício real para ao paciente. Antes de iniciar um tratamento deste tipo o paciente deve sempre consultar o reumatologista, que irá orientá-lo no sentido de esclarecer se pode ou não haver algum dano ao paciente. Vale a pena lembrar que tais métodos não devem nunca substituir a terapia tradicional para artrite reumatoide, os medicamentos não devem ser suspensos sob o risco de agravamento do quadro. Tratamentos como auto-hemoterapia, vacina para brucelose, medicamentos à base de ervas e fórmulas milagrosas podem trazer sérios danos à saúde do paciente.

Viva Mais Viva Melhor – A fisioterapia pode beneficiar os pacientes com artrite reumatoide?
Dra. Juliana Bahia Cardozo – A fisioterapia é um tratamento adjuvante muito importante, tem como objetivo reduzir a dor e a inflamação, bem como preservar a função e a integridade articular. Ela envolve diversas modalidades de tratamentos direcionadas a problemas específicos. Isso inclui calor ou frio para o alívio da rigidez e a inflamação, ultrassonografia para atenuar inflamações dos tendões, exercícios ativos e passivos para melhorar e manter o alcance da mobilidade das articulações, descanso e talas para reduzir a dor e melhorar a função e técnicas de relaxamento para diminuir os espasmos da musculatura.

Viva Mais Viva Melhor – Quando a artrite reumatoide gera deformidades que diminuem a qualidade de vida do paciente? O médico pode avaliar, por exemplo, a possibilidade de uma cirurgia para recuperar esta articulação utilizando-se de uma prótese?
Dra. Juliana Bahia Cardozo – Sim. Pode haver a indicação de tratamento cirúrgico em situações onde as medidas conservadoras não produzam um controle adequado de sintomas ou não permitam níveis mínimos aceitáveis de atividades de vida diária, como trabalho, atividades domésticas e caminhada. Devemos lembrar que a cirurgia deve ser vista como uma parte de um processo do tratamento e não um evento isolado e tardio na evolução da doença. O tempo ideal para submeter o paciente ao tratamento cirúrgico é quando as deformidades mais graves ainda não estão instaladas, podendo-se proceder a cirurgias corretivas de realinhamento e sinovectomia, sem o uso de próteses ou outras cirurgias mais agressivas.

Viva Mais Viva Melhor – Você falou da importância de o paciente aderir ao tratamento. Quais as complicações caso isso não ocorra? O que pode acontecer se o paciente não fizer um tratamento adequado para a artrite reumatoide?
Dra. Juliana Bahia Cardozo – Se não houver o tratamento adequado para a artrite reumatoide o processo de inflamação continuará podendo levar a destruição da articulação e de todas as estruturas vizinhas, gerando deformidades, diminuição da mobilidade das juntas, limitação importante das tarefas do dia-a-dia e eventuais necessidades cirúrgicas. Tudo isso implica em redução da qualidade de vida. Além disso, a artrite também pode ter manifestação fora das articulações, podendo afetar pulmão, coração, vasos, olhos, dentre outros. 

Viva Mais Viva Melhor – Conversamos com a médica doutora Juliana Bahia Cardozo, especialista em reumatologia. Doutora, muito obrigada e até a próxima.