NOSSAS ENTREVISTAS

Tema: Dores no quadril

 071 2109... Ver mais >

Olga Goulart – Responsável pela sustentação do peso do corpo, o quadril está sujeito a muitas lesões. As dores no quadril afetam pessoas de todas as idades, principalmente em praticantes de esporte de alto impacto e em indivíduos acima de 40 anos. Existem várias causas para as dores no quadril com características distintas e patologias diversas. Elas também podem ser pontuais ou abrangentes, podem ser espontâneas ou perceptíveis apenas com o movimento. E para conversar conosco sobre este assunto, nós convidamos o médico doutor Lauro Magalhães especialista em ortopedia e traumatologia.

Doutor, vamos explicar então inicialmente o quê que é o quadril e porquê que ele é considerado uma articulação tão importante?

Dr. Lauro Magalhães – Bom Olga, o quadril é a região compreendida entre a crista ilíaca do osso ilíaco e o trocanter maior, que fica no fêmur proximal. Já a articulação propriamente dita é formada pela cabeça do fêmur e o acetábulo, que é o encaixe do quadril. E ele tem várias funções, principalmente de suportar o peso corporal e oferecer movimento compatível com a locomoção.

Olga Goulart – Como habitualmente, doutor, se apresentam as doenças no quadril e quais são as suas principais causas?

Dr. Lauro Magalhães – Normalmente as patologias do quadril causam dor na região inguinal na virilha, que pode irradiar tanto para a região anteromedial da coxa até para a região lateral deste quadril. Além disso, podem ocorrer contraturas musculares, diminuição dos arcos de movimento, com dificuldade para entrar e sair do carro, de calçar os sapatos, de praticar atividades físicas ou também nas atividades profissionais. 

E as causas são diversas a depender da patologia, mas podemos citar as doenças da infância, como a displasia do quadril, doença de legg perthes, epifisiólise, assim como o uso crônico de bebida alcoólica, tabagismo, uso de corticoide, sequelas de trauma, entre outras causas.

Olga Goulart – E como que essa dor no quadril é investigada, doutor? Quais são os sinais de alerta que indicam que a pessoa deve buscar ajuda de um especialista?

Dr. Lauro Magalhães – Inicialmente, com a anamnese e exame físico bem feitos, podemos ter um alto grau de suspensão, aí depois solicitamos raio-X, ressonância, ultrassonografia ou algum outro exame complementar de imagem para confirmarmos o diagnóstico e iniciar o tratamento.

Olga Goulart – Sim, com relação aos esportes, nós lembramos do tenista Gustavo Kuerten que se aposentou devido a uma lesão no quadril em 2001, a síndrome do impacto do quadril. O quê que é essa síndrome e quais as causas e complicações dessa patologia?

Dr. Lauro Magalhães – A síndrome de impacto do quadril, também chamada de síndrome do impacto femoroacetabular, é uma patologia onde ocorre uma alteração no formato e do funcionamento biomecânico do quadril, favorecendo um contato ou deslizamento anormal entre a cabeça do fêmur e o acetábulo. As causas primárias são alterações na formação óssea na infância e durante a fase de crescimento. Além disso pode ser secundário a sequela de epifisiólise, legg perthes ou consolidação e má posição de fratura do acetábulo ou fêmur proximal, entre outras causas. E como complicação, além da dor e da limitação funcional, o que é mais temido é a evolução para a osteoartrose do quadril que é o desgaste precoce desta articulação.

Olga Goulart – E o quê que é a displasia do quadril? Essa doença somente atinge os recém-nascidos?

Dr. Lauro Magalhães – A displasia do desenvolvimento do quadril é uma patologia em recém-nascidos onde ocorre um distúrbio no desenvolvimento deste quadril, gerando diminuição da cobertura acetabular, que pode resultar desde a instabilidade até o desgaste precoce desta articulação, caso não tratada adequadamente.

Olga Goulart – Certo. A osteonecrose na cabeça do fêmur pode ser considerada uma causa de dor e limitação funcional no quadril. O quê que seria esta osteonecrose e quais os principais fatores de risco?

Dr. Lauro Magalhães – Osteonecrose da cabeça do fêmur é a morte do tecido ósseo da cabeça deste fêmur. E os principais fatores de risco são alcoolismo, uso crônico de corticoide, tabagismo, doenças reumatológicas como lúpus, artrite reumatoide, doenças hematológicas como a anemia falciforme, sequela de fratura de colo e cabeça do fêmur, luxações de quadril, além de quimio e radioterapia, entre outros fatores.

Olga Goulart – Doutor, uma causa muito comum de dor no ombro, a bursite, ela também pode acometer o quadril, não é? Quais as características desta dor proveniente da bursite e quem são as pessoas com maior predisposição ao problema?

Dr. Lauro Magalhães – Pode sim. No quadril podemos encontrar bursite em alguns locais, bursite trocantérica, bursite isquiática, bursite do iliopsoas, mas sem dúvida a mais comum é a bursite trocantérica. Ela caracteriza-se com dor na região lateral do quadril, uma dor ao fazer apalpação neste local ou deitar-se sobre este local e acomete mais comumente mulheres de meia idade, pacientes sedentários, com sobrepeso e por falta de alongamento muscular. Também pode acontecer após trauma local, por estresse repetitivo, ou seja, durante corridas, andar de bicicleta, ou em problemas que afetam a maneira de deambular, como a diferença de tamanho dos membros inferiores, escoliose, entre outras causas.

Olga Goulart – De uma forma geral, doutor, quais são as opções de tratamento para dor no quadril?

Dr. Lauro Magalhães – Na maioria das patologias do quadril o tratamento inicial é com medicações analgésicas ou anti-inflamatórias, fisioterapia e se possível retirar a causa. E na falha deste tratamento aí sim entra a opção cirúrgica, a depender de cada patologia.

Olga Goulart – Bom doutor, a corrida de rua é uma atividade hoje em dia muito procurada e muitos grupos são formados sem nenhuma orientação médica. Por ser uma atividade de impacto, é preciso se consultar um especialista antes de praticar este esporte? Qual sua recomendação?

Dr. Lauro Magalhães – Sem dúvida, Olga. A avaliação médica antes do início de qualquer atividade física é indispensável, principalmente nas atividades de impacto, que podem ocasionar lesões osteomusculares graves, sem falar nos problemas cardiovasculares.

Olga Goulart – Bom, para finalizar, doutor, o que nós podemos fazer para prevenir as dores no quadril?

Dr. Lauro Magalhães – Bom, fazer avaliações médicas periódicas, evitar sobrepeso, evitar sobrecarga de exercício, respeitar o descanso, além de manter uma musculatura com alongamento e fortalecimento adequados são fatores determinantes para prevenir ou pelo menos diminuir o risco de ter dor ou alguma patologia no quadril.

Olga Goulart – Maravilha. Conversamos com o médico Lauro Magalhães, especialista em ortopedia e traumatologia. Doutor, muito obrigada e até a próxima.