NOSSAS ENTREVISTAS

Tema: Demência no Idoso

 (071) 35... Ver mais >

Viva Mais Viva Melhor – Quando uma pessoa idosa começa a esquecer o nome das coisas, compromissos e algumas tarefas diárias costumamos dizer que esses são os sintomas da velhice e que não tem mais volta, mas a demência senil, doença que atinge o número expressivo de idosos pode ser revertida em alguns casos. Para esclarecer as dúvidas mais freqüentes sobre o assunto. que conversa conosco é o Dr. Wenceslau Alonso. especialista em geriatria.

Dr. Primeiramente esse termo demência as vezes é estigmatizado associado a caduquice ou loucura. Então vamos explicar de uma vez por todas aos nossos ouvinte o que é realmente a demência senil e qual é o conceito médico da doença.
Dr. Wenceslau Alonso – Bom em primeiro lugar eu gostaria de esclarecer que o termo DEMÊNCIA SENIL se encontra atualmente em desuso, uma vez que ele era associado a demência por processo de envelhecimento. Hoje nós estamos vendo que as pessoas estão envelhecendo com melhor qualidade de vida e mantendo seu estado cognitivo preservado, chegando muitas vezes ao centenário, sendo hoje muitos pacientes centenários - a Bahia é o estado do Brasil que mais possui números centenários - e eles estão chegando ao 100 anos com sua cognição preservada. Dito isso, nós identificamos que a demência na verdade é um sintoma, a velhice não é uma doença, é um sintoma provocado por uma determinada doença. Ela existe por conta da doença que levou a ter esse estado. O termo demência é do termo latim que significa “de” e “mente”, então ela não é uma patologia, ela é provocada por uma determinada patologia e podem ocorrer patologias com concomitantes que levem ao quadro de demência.

Viva Mais Viva Melhor –  Dr. Quais são os sintomas mais comuns da demência e como é que os familiares podem reconhecer a doença no idoso com quem convivem?
Dr. Wenceslau Alonso – Bom, a demência é uma doença mental, ela é caracterizada, principalmente, pelo prejuízo cognitivo, que podem incluir alteração de memória, desorientação em relação ao tempo, desorientação em relação ao espaço, podem incluir alteração do raciocínio, concentração, aprendizado, realização de tarefas complexas, julgamento de linguagem e habilidades parciais. A demência abarca todos esses sintomas que podem aparecer isoladamente ou podem aparecer em conjunto. Essas alterações podem ser acompanhadas por mudanças no comportamento ou na personalidade da pessoa, então isso já chama a atenção dos familiares. Os prejuízos, necessariamente, interferem com a habilidade no trabalho ou nas atividades usuais, que apresentam declínio em relação a níveis prévias de funcionamento, desempenho e não são explicadas, isso é importante, por outras doenças físicas ou psiquiátricas, muitas doenças podem causar o quadro de demência como disse a pouco, entre as várias doenças que podem causar a mais conhecida entre todas é a doença de alzheimer que a mais freqüente.

Viva Mais Viva Melhor –  Quais são os fatores de risco que podem desencadear a demência?
Dr. Wenceslau Alonso – Isso vai depender de diversos fatores que incluem o tipo de patologia que causará a doença. Haja vista, a demência como disse não é doença e sim os sintomas de algumas enfermidades, fatores importantes refere-se principalmente ao estilo de vida, são considerados fatores de risco a hipertensão, o diabetes, a obesidade, tabagismo, sedentarismo. Esses fatores relacionados ao hábito de vida, são considerados fatores modificáveis, por ser modificado você tem uma grande chance de não desencadear o quadro demencial. Alguns estudos apontam, que se eles forem controlados corretamente, podem retardar inclusive o aparecimento da doença. A idade é o fator principal para o desenvolvimento da doença, principalmente a doença de alzheimer, em detalhes que após aos 75 anos o risco de desenvolver a doença dobra a cada 05 anos, mulheres podem ter o risco maior de desenvolver a doença, mais isso não está bem segmentado, alguns estudos apontam que as mulheres desenvolvem mais demência pelo fato de viverem mais que os homens, familiares que tem histórico de demência tem o risco maior de desenvolver essa doença no futuro.

Viva Mais Viva Melhor –  Quais são os tipos de demência Dr., é correto afirmar que alguns casos pode ser revertido?
Dr. Wenceslau Alonso – Não existe uma causa única para a demência, são várias patologias que podem causar a demência, existem causas reversíveis, existem causas potencialmente reversíveis e existem causas que são irreversíveis. Como são as várias causas que levam ao quadro demência, nós temos demências, como disse de causas reversíveis, e entre elas podemos citar por exemplo: neurossífilis, aids, meningite, uso de drogas, uso de determinados medicamentos e essas causas reversíveis representam cerca de 5% da demência. Causas que são potencialmente reversíveis como por exemplo: uma doença muito comum é o hipotireoidismo. O hipotireoidismo não controlado pode evoluir pra um quadro de demência, então ela é potencialmente reversível, o déficit de vitamina B12, o déficit de eletrólitos podem causar demência. Dentre as demências que são chamadas de irreversíveis, deve subdividir em duas, as que são do tipo alzheimer e as que são do tipo não alzheimer. As demências que são do tipo não alzheimer nós temos o AVC (acidente vascular cerebral), a demência de Pick, a demência fronto-temporal, Demência com corpos de Lewy (DCL) são alguns dos eventos, e elas apresentam 95% junto com a doença de alzheimer.

Viva Mais Viva Melhor – Como é feito o diagnóstico da doença Dr.? É importante se fazer o diagnóstico de forma precoce?
Dr. Wenceslau Alonso – Perfeita pergunta. O diagnóstico ele vem com base em critérios. A queixa que a família traz nos leva a um raciocínio, então nós temos um diagnóstico de forma clínica. A família vai fazer uma queixa, você vai fazer uma investigação clínica, você vai fazer exames que nós chamamos de rastreio, chama o paciente para uma entrevista, nós vamos fazer exames de laboratório específicos para questão do esquecimento e vamos fazer exames de imagem, tomografia, ressonância espectro cerebral. O conjunto desses exames clínico, laboratorial e de imagem é que vão nos nortear e determinar qual tipo de indício que ela tem, reversível ou irreversível. Quanto mais precoce for o diagnóstico mais cedo se dará o início do tratamento. O que poderá oferecer melhor qualidade de vida para o paciente, reverter o quadro de muitos casos, mas quando forem irreversível eu posso prolongar por mais tempo a manutenção da cognição do paciente.

Viva Mais Viva Melhor – A doença atinge somente a população idosa ou podem também existir casos em pessoas jovens?
Dr. Wenceslau Alonso – Veja só, como eu falei agora a pouco, depende da causa que levará à demência, sendo assim ela não é exclusiva de pessoas idosas, dependendo da causa ela pode se apresentar também em pessoas jovens, depende do seu estilo de vida, da sua forma de se alimentar e também da sua herança genética, que nós não podemos esquecer desse detalhe, que é sumamente importante. Então uma boa história clínica nos ajuda muito, sendo assim pode afetar tantos os jovens como idosos.

Viva Mais Viva Melhor – A patologia tem cura Dr.? Como é que é feito o tratamento para demência?
Dr. Wenceslau Alonso – Veja bem, se ela for de causa reversível ou potencialmente reversível sim, tem cura. Daí a precocidade do diagnóstico é sumamente importante. Se ela tem o diagnóstico precoce eu posso reverter a evolução desse quadro e determinar a cura dessa doença sem um dia provocar no futuro uma demência. Se ela for irreversível não, ela vai ser feita com base na doença para manutenção da qualidade de vida e da manutenção da cognição do paciente. O tratamento ele é feito com base em medicamentos dependendo da causa da doença que leve a demência, por medicamento apropriado que será indicado mas também outras onde são muito importante, o apoio de outros profissionais, a terapia para demência é multiprofissional, terapia ocupacional é extremamente importante, fisioterapia, fonoaudiologia. Então, o paciente tem que ter uma vida mais ativa, ela tem que ter uma vida mais intelectual mais ativa, então é importante que nós tenhamos um conjunto de fatores para tratar o paciente não somente medicamentoso mas também multiprofissional.

Viva Mais Viva Melhor – E quais são esses cuidados com a doença? Qual vai ser por exemplo de um acompanhante em todo esse processo?
Dr. Wenceslau Alonso – Eu costumo dizer às famílias do paciente portadores de demência, que a doença normalmente não é do paciente e sim que a doença é de toda a família. Tem que haver uma reestruturação da organização familiar, onde esses pacientes precisam de mais cuidados diários, precisam de mais atenção e principalmente nas saídas, pelo quadro de comportamento cognitivo alterado eles não podem mais ficar sozinhos, sair desacompanhado, manipular fogão ou manipular equipamentos que ofereçam riscos, além do cumprimento de todo cuidado que o médico indica, esse cumprimento da distribuição mais rigorosa, esse tipo de paciente necessita muito mais ainda compreensão da família e dos cuidadores. Ele deve evitar com os paciente por exemplo, as discussões devem ser evitadas a todo custo uma vez que esses pacientes tem dificuldade de recordar os seus atos, então eles não lembram as vezes o que fez, então gera discussão e isso é muito prejudicial para o paciente, então acima de tudo carinho e compreensão é o cuidado mais importante que o paciente com demência precisa.

Viva Mais Viva Melhor – Bom além dessas recomendações Dr., qual é a melhor maneira da família tratar o idoso dentro de casa, como contribuir para que o paciente tenha mais qualidade de vida?
Dr. Wenceslau Alonso – Bom, a melhor forma de tratar um paciente com demência em casa, em primeiro lugar é ter um vínculo muito forte com o médico assistente desse paciente, solicitando sempre as orientações deste profissional dialogando de forma transparente com esse médico, ele é o qual irá te orientar da melhor forma possível a condução da vida desse paciente. Portanto, a interação entre a família e o médico é de fundamental importância para o tratamento com os pacientes com demência, deve-se discutir as ideias, tem que estar sempre atento as rotinas estabelecidas para o tratamento, sempre haverão modificações de rotina, o carinho e a dedicação ao paciente é de fundamental importância para que o paciente tenha mais qualidade de vida. Algo muito importante que a gente não pode esquecer também é que esse paciente esquece do que fez, muitas vezes ele vai insistir em algo que ele fez, isso muitas vezes levará a uma situação de conflito familiar, volto a reiterar às pessoas que convivem com paciente desse tipo tem que estar atentas a este tipo de situação, pois evita conflitos dentro de uma família no que leva a melhor qualidade de vida desse paciente demente.

Viva Mais Viva Melhor – Dr. Selecionamos algumas perguntas que chegaram através das nossas redes sociais. A primeira é a seguinte: O excesso de remédio que os idosos costumam tomar para tratar doenças como hipertensão, colesterol, diabetes podem também contribuir para o aparecimento da demência?
Dr. Wenceslau Alonso – Na verdade é bem ao contrário, como eu falei lá atrás, essas doenças são fatores de risco, as doenças que são fatores de risco para o aparecimento da demência e não o uso das medicações que servem para o melhor controle dessas doenças, então para maior e melhor benefício da cognição do paciente, o uso das medicações numa receita bem ajustada para cada indivíduo é a melhor opção para o tratamento de cada ser humano, portanto não existe uma receita de bolo para todos os pacientes, sendo assim continuo afirmando que a melhor conduta para ter uma boa relação com seu médico é importante, porque ele sempre vai te orientar da melhor forma, da forma mais adequada.

Viva Mais Viva Melhor – A outra pergunta é a seguinte: existe alguma relação entre depressão e demência?
Dr. Wenceslau Alonso – Excelente pergunta. Sim! Está bem documentado nos estudo, que a depressão é uma causa de demência muito importante nos idosos. A depressão não tratada ou não tratada adequadamente, pode levar a alterações futuras do sistema nervoso central. Acontecendo isso, causará futuramente um estágio de demência, então o tratamento correto da depressão é de fundamental importância para o não desenvolvimento de um quadro de demência. Eu gostaria que ficasse bem claro Olga, é que depressão não é sintoma, muitas pessoas falam: é que estou um pouquinho de depressão. Não! Depressão é uma doença, e sendo assim ela merece um diagnóstico e um tratamento correto e adequado.

Viva Mais Viva Melhor – Dr. Como diferenciar o envelhecimento normal de demência?
Dr. Wenceslau Alonso – Bom, isso aí a gente tem que primeiro fazer uma coisa bem importante, diferenciar algumas coisas. Nós temos que ser bem claros que envelhecer não é doença, envelhecer é um fator biológico da vida, ou seja, faz parte da vida envelhecer. Portanto, o envelhecimento não é doença, nem todas as pessoas que envelhecem irão ter demência. Esclarecendo isso, nós temos que levar em consideração que o envelhecimento não somente existe na parte externa do corpo, como a atrofia do músculo ou atrofia da pele, perda de cabelo. O cérebro que também faz parte do corpo, as vezes esquecemos isso, também envelhece, pois tem a mesma idade que nós temos, então certamente ele atrofia, fazendo com que a velocidade de raciocínio e a velocidade de pensamento diminuam com o envelhecimento. Existem 3 diferenciações importantes que nós costumamos fazer na geriatria em relação ao envelhecimento e a demência. Existe o que nós chamamos de déficit cognitiva, que é a diminuição da capacidade de memória, e ele pode ser leve, moderado ou severo. Com o envelhecimento, a velocidade de raciocínio também fica modificada sem que com isso seja indicativo inicial de demência, que fique bem claro. Também o que chamamos de déficit cognitivo leve do idoso. Nesses casos nós podemos ter mais dificuldade em lembrar coisa do dia a dia, como por exemplo, onde se guarda uma chave, onde guardamos alguma coisa, isso não necessariamente é demência. Nos déficits cognitivos moderado ou severo, o comprometimento cognitivo é acentuado, havendo portanto prejuízo do julgamento, havendo prejuízo da linguagem, necessitando intervenção e tratamento, já esses quadros não são naturais de envelhecimento, precisam de tratamento.

Viva Mais Viva Melhor – Bom Dr., ao longo da entrevista o Sr. Já nos deu várias dicas, mas para finalizar, vamos aos desafios, para se chegar a uma velhice com qualidade de vida, tem como prevenir a demência?
Dr. Wenceslau Alonso – Esse é o grande desafio né? Em primeiro lugar, a gente teria que melhorar nosso estilo de vida, mais atividades física, menos sedentarismo, pois isso vai depender a qualidade do nosso envelhecimento, como eu disse além da medicina atual, 95% das demências não têm prevenção e em segundo lugar a melhor prevenção acima de todas, que reforço muito, é você estar bem em contato com seu médico, periodicamente fazendo seus exames de rotina, estar sempre dialogando com ele, conversando com quem pode te orientar melhor. Em terceiro lugar eu diria que a mudança da nossa qualidade de vida, nisso que estamos vivendo momentos de muita turbulência, muito estresse, um ritmo muito acelerado, um apetite voraz, consumos exagerados de bebida alcoólica, muitas gorduras, esse tipo de modificação se faz necessário, já que daí iremos colher nosso futuro.

Viva Mais Viva Melhor – Ok Dr. Muito obrigada. Conversamos com Dr. Wenceslau Alonso, especialista em geriatria. Um grande abraço, muito obrigada Dr.