NOSSAS ENTREVISTAS

Mitos e Verdades sobre Cirurgia de Tireoide

 (071) 30... Ver mais >

Viva Mais Viva Melhor – Uma das maiores glândulas do corpo humano, a tireoide está localizada na parte anterior do pescoço e seu desempenho é fundamental para o bom funcionamento do organismo. Por isso é preciso ficar atento a algumas doenças que podem modificar a sua função e, se não tratadas, acabarem levando até a cirurgia de retirada total da glândula. Apesar de serem raras as complicações, alguns detalhes devem ser esclarecidos aos pacientes. E para falar um pouco mais a respeito do assunto, na nossa série Mitos e Verdades, quem conversa conosco é o doutor Gabriel Carletto, especialista em cirurgia de cabeça e pescoço.

Doutor, primeiramente, é correto afirmar que doenças da tireoide afetam a vida sexual e o sistema reprodutor?
Dr. Gabriel Carletto – É correto sim. Nós podemos ter a alteração da função hormonal sendo hipotireoidismo, que é a baixa do hormônio ou o hipertireoidismo que é a alta dos hormônios influenciando e afetando a vida sexual e o sistema reprodutor. Tanto no hipotireoidismo como no hipertireoidismo pode haver uma dificuldade de engravidar, uma infertilidade e pode afetar também o desejo e a libido sexual. Isso é muito visto no hipotireoidismo, mas também pode acontecer no caso de hipertireoidismo. 

Viva Mais Viva Melhor – Problemas de tireoide pode influenciar no ganho ou perda de peso, isso é mito ou é verdade?
Dr. Gabriel Carletto – É verdade. A hipofunção ou o hipotireoidismo está associado com o ganho de peso. Pacientes que ganham muito peso podem ter realmente uma disfunção hormonal tireoidiana e os pacientes que tem uma hiperfunção também podem perder muito peso. Tanto a hipo como a hiperfunção da tireoide podem alterar a questão do peso do paciente.

Viva Mais Viva Melhor – É preciso fazer ultrassom uma vez por ano para ter um diagnóstico do câncer de tireoide, isso é mito ou é verdade?
Dr. Gabriel Carletto – É verdade. É possível e cada dia mais nós fazemos ultrassom pelo menos uma vez no ano e temos um diagnóstico cada vez mais precoce. Os nódulos tireoidianos eles crescem muito lentamente, apenas uma vez ao ano você consegue ter um diagnóstico preciso, em uma fase precoce, com melhores resultados e tratamentos adequados. Então deve ser feito pelo menos uma vez no ano um ultrassom de tireoide para detectar câncer em pacientes com nódulos.

Viva Mais Viva Melhor – O câncer de tireoide é mais encontrado em homens do que em mulheres, isso é verdade ou é mito?
Dr. Gabriel Carletto – Isso é mito. Na verdade, o câncer de tireoide é mais comum nas mulheres. Porém, o sexo masculino é fator de risco para o câncer de tireoide. Os nódulos tireoidianos também são mais comuns em mulheres, são quatro mulheres para cada um homem, é muito mais comum a doença de tireoide e isso está ligado a questões dos hormônios do sexo feminino. Nós não sabemos o porquê ainda, qual é o fator que leva estes nódulos a serem mais comuns nas mulheres, mas existe associação entre os nódulos e o sexo feminino.

Viva Mais Viva Melhor – Todo o nódulo de tireoide é indício de câncer, isso é verdade ou é mito?
Dr. Gabriel Carletto – Mito! Na verdade, a minoria dos nódulos de tireoide vai ser câncer ou vai desenvolver o câncer. A grande maioria, 80 a 90% dos nódulos, são nódulos benignos e uma pequena parte deles existe o câncer de tireoide. Então, nós temos que fazer um ultrassom cervical e uma punção para ter o diagnóstico da doença e aí dizer se é câncer ou se não é câncer.

Viva Mais Viva Melhor – Todos os nódulos da tireoide precisam ser removidos com cirurgia, isso é verdade ou é mito?
Dr. Gabriel Carletto – Mito. Apenas os nódulos sintomáticos compressivos quando benignos são removidos ou se são câncer ou suspeita de câncer. Muitos dos nódulos as pacientes convivem o resto da vida toda e não têm problemas. Nódulos pequenos com punção benigna são acompanhados, nódulos com punção suspeita ou com punção de câncer são removidos com cirurgia e nódulos mergulhantes muito volumosos também são removidos com cirurgia.

Viva Mais Viva Melhor – A cirurgia de tireoide tem um índice muito baixo de complicações, isso é verdade ou é mito?
Dr. Gabriel Carletto – É verdade. Hoje em dia com a tecnologia, com os melhores ultrassons, as melhores pinças, os melhores bisturis e os melhor estudo do cirurgião nós temos um índice baixo de complicações. E existem complicações. Em nosso meio nós temos uma grande prevalência de cirurgiões especialistas realizando as cirurgias, o que também diminuem a incidência de complicações. As complicações podem acontecer, mas hoje em dia com todo este mecanismo de pinças, monitorizações neurais, hemostáticos e com a evolução da medicina foi muito diminuída as complicações que tínhamos inicialmente nas cirurgias da tireoide.

Viva Mais Viva Melhor – Verdade que uma das complicações da cirurgia da tireoide é que o paciente pode perder a voz, isso é mito ou é verdade?
Dr. Gabriel Carletto – Isso é uma verdade que acontece muito pouco. Na cirurgia da tireoide nós estamos em íntimo contato com o nervo da voz, que é o nervo recorrente. Uma lesão deste nervo pode causar uma rouquidão que a gente chama de disfonia e quando acontece de ter uma lesão dos dois lados à direita e à esquerda o paciente sim pode ficar sem voz. Essa é uma complicação muito rara em que acontece muitas vezes em cânceres avançados que normalmente não são operáveis. No dia-a-dia do paciente com a doença de tireoide comum ou câncer ou bócio é uma questão e uma complicação muito rara acontecer.

Viva Mais Viva Melhor – A cirurgia de retirada total da tireoide levará sempre a necessidade de reposição hormonal pós-operatória. É correto afirmar que a reposição dos hormônios da tireoide causa muitos efeitos colaterais?
Dr. Gabriel Carletto – Não, não. Na verdade, nós encontramos uma dose adequada e ideal para os pacientes. O paciente já sai da cirurgia com a dose e depois o endocrinologista e o cabeça e pescoço chegam a essa dose. O paciente seguindo a essas orientações, fazendo o uso deste remédio 30 minutos antes do café, em jejum, procurando manter o horário certinho ele não vai ter muitos efeitos colaterais, mas se o paciente não segue essa rotina ou esquece de tomar muitas vezes na semana, ou toma excessivamente, ou toma de maneira errada, ele pode passar efeitos colaterais e estes podem causar uma alteração nos hormônios e aí consequentemente ele vir a ter algum efeito.

Viva Mais Viva Melhor – Todos os pacientes que fazem cirurgia na tireoide devem tomar iodo depois do procedimento, isso é verdade ou é mito, doutor?
Dr. Gabriel Carletto – Mito. Já foi uma verdade. Cerca de 10 anos atrás alguns estudos americanos mostravam que o iodo aumentava a sobrevida dos pacientes de câncer de tireoide. Houve-se inicialmente uma tendência a se fazer iodo pós-operatório em todos os pacientes que tinham câncer de tireoide. Com o passar do tempo, 10 a 15 anos passados, nós vimos que na verdade nem todos os pacientes se beneficiaram. E hoje, uma pequena parte dos pacientes com a doença mais agressiva, com extravasamento de cápsula, com metástase é que tem indicação de fazer o tratamento do iodo. Houve uma diminuição na indicação do iodo e uma diminuição da dosagem que o paciente recebe do iodo após o tratamento cirúrgico. 

Viva Mais Viva Melhor – Para finalizar, doutor, é correto afirmar que o autoexame da tireoide é simples e pode ajudar a detectar o câncer?
Dr. Gabriel Carletto – É correto sim, todo o paciente pode fazer este autoexame, é um exame simples, o paciente faz em um lugar bem claro e em frente ao espelho palpando a tireoide, que é um órgão que fica superficial, logo embaixo do pomo-de-Adão, conhecido como gogó popularmente, o paciente pode procurar o nódulo à direita, à esquerda ou no meio que é o istmo. É bom saber que a ida ao médico não pode ser trocada por este autoexame. O paciente deve ir ao médico, procurar uma consulta com o especialista, passar no endocrinologista e se cuidar no dia-a-dia em casa para a detecção precoce, assim como existe no câncer de mama.

Viva Mais Viva Melhor – Conversamos com o doutor Gabriel Carletto, especialista em cirurgia de cabeça e pescoço. Doutor, muito obrigada e até a próxima.